A+ / A-

​Zero. Aeroporto no Montijo tem riscos, mas é a "melhor" solução

14 fev, 2017 - 17:31 • Sérgio Costa

Ambientalistas exigem, contudo, estudos sérios que justifiquem a solução.

A+ / A-

Veja também:


A associação ambientalista Zero não tem dúvidas e “vê com bons olhos” o aproveitamento da base aérea do Montijo para um aeroporto que complemente a Portela.

Em declarações à Renascença, Carla Graça sublinha que a opção deve ser plenamente justificada e comparada com a opção de construção de um aeroporto de raiz em Alcochete. Contudo, à partida, a ambientalista entende a “solução Montijo como provavelmente a melhor em termos de custos e adaptação às expectativas do mercado”.

A Zero identifica algumas questões críticas, desde logo o facto de a base aérea estar inserida na reserva natural do Tejo, lembrando que é um local de refúgio de aves, muitas com estatuto vulnerável de conservação, e é zona de migração. Uma situação que “coloca questões de conservação da natureza e de risco de segurança para a operação aeronáutica”.

A ambientalista alerta ainda para questões de ordenamento do território, sobretudo para um eventual quadro de especulação que obriga a estudos aprofundados do Governo.

Particular atenção, diz Carla Graça, deve merecer a questão do ruído e da qualidade do ar. A ambientalista adianta que a “utilização das pistas actuais terá sobretudo impacto na Baixa da Banheira, lembrando ainda a necessidade de acautelar estudos sobre futuras acessibilidades”. “É necessário aferir impactos de toda a solução”, reforça.

Apesar de tudo, a ambientalista da Zero sublinha que “Montijo poderá ser a melhor solução ao nível da poupança de recursos e pelo facto de se poder fasear a instalação com adaptações à medida das necessidades”.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JR
    15 fev, 2017 Lisboa, Puto 10:50
    A Base Aérea Nº 1 em Sintra com a pista esticada e alargada para duas paralelas, vai até aos 4000 metros e fica encostadinha à A16 a sul e à estrada Sintra / Mafra a norte, N9, com bons acessos portanto. Demolir as instalações existentes da Academia e fazer terminais novos. Com jeitinho cabe tudo. O terreno não tem habitações. É só descampado. Não tem pássaros. Os únicos pássaros são os passarões que andam a ver o que ganham com o negócio. Quanto mais caro sair mais roubam.
  • atento
    15 fev, 2017 Aveiro 10:47
    Bom, se vamos ter aviões a conviver permanentemente com aves, vamos ter a sequela da amaragem no rio Hudson.
  • Pedro Santos
    15 fev, 2017 Porto 09:38
    Ecologistas comprados
  • Aviadoraposentado.
    14 fev, 2017 Lisboa 19:55
    Mas quem é que sabe de aviões, aeroportos e navegação aérea ? É uma "associação ambientalista" ? São os políticos, que estão sempre a "olhar para os €€€€€€€€€€" que podem meter ao bolso por diferentes vias ? Ou é quem trabalha DENTRO de um avião ?