Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

"Quinta-feira e Outros Dias". ​Cavaco apresenta livro sobre Presidência no dia 16

06 fev, 2017 - 17:09 • Eunice Lourenço

Antigo Presidente vai prestar contas dos seus dias em Belém.

A+ / A-

Quinta-feira é, tradicionalmente, o dia do encontro semanal entre o Presidente da República e o primeiro-ministro. É também o dia que dá título ao livro de Aníbal Cavaco Silva em que o antigo Presidente vai prestar contas do seu tempo passado em Belém.

“Quinta-feira e Outros Dias” – assim se chama o livro – já tem apresentação marcada para dia 16, precisamente uma quinta-feira. A apresentação vai decorrer no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, um edifício que faz parte da história política de Cavaco Silva: além de ter promovido a sua construção, foi lá que apresentou as suas candidaturas presidenciais e festejou a última vitoria.

O livro, ao que a Renascença sabe, foi escrito na primeira pessoa pelo próprio Cavaco Silva, que pretende prestar contas dos seus dois mandatos presidenciais e também justificar algumas das decisões e atitude.

No "site" da loja Fnac, o livro ainda não está disponível, mas já há uma pequena apresentação da obra feita pelo próprio Cavaco. "Tendo mantido até agora reservada parte importante da minha acção como Presidente da República, convicto de que essa era a melhor forma de defender o superior interesse nacional – e nunca tendo ocorrido fugas de informação para a comunicação social sobre o que se passou nos meus encontros com o Primeiro-Ministro e outros membros do Governo –, entendo que é altura de completar a prestação de contas aos Portugueses dando público testemunho de componentes relevantes da minha magistratura que são, em larga medida, desconhecidos dos cidadãos”, escreve o antigo Presidente, mostrando assim que vai apresentar novidades sobre os seus anos em Belém.

Um ex-Presidente recatado

Retirado da intervenção pública desde a posse do seu sucessor, a 9 de Março do ano passado, o antigo Presidente tem trabalhado no Gabinete do Sacramento, as instalações no antigo Mosteiro do Santíssimo Sacramento, em Alcântara, Lisboa, que escolheu para instalar-se como antigo Presidente.

Desde que deixou a Presidência, Cavaco tem tido muito poucas intervenções públicas, recusando geralmente comentar temas da actualidade. Contudo, esta segunda-feira entendeu fazer uma nota sobre os 25 anos do Tratado de Maastricht em que chama a atenção para os perigos de um eventual fim da moeda única.

Ao longo dos seus dez anos de Presidente (2006-2016), Cavaco Silva conviveu às quintas-feiras (e também noutros dias) com três primeiros-ministros: José Sócrates, Pedro Passos Coelho e António Costa.

O primeiro-ministro com que coabitou mais tempo foi José Sócrates (que ocupou São Bento de 2005 a 2011). A relação começou por ser de elogios mútuos, mas terminou com grande desconfiança de Cavaco Silva em relação a José Sócrates. Uma relação sobre a qual o antigo Presidente também dará algumas explicações.

Com Passos Coelho, viveu e conviveu nos anos da troika. Embora sejam ambos do mesmo partido, Passos e Cavaco tiveram momentos de alguma animosidade – exemplo: quando o Presidente alertou para o perigo de uma “espiral recessiva”.

António Costa e Cavaco Silva só conviveram menos de quatro meses como primeiro-ministro e Presidente, mas foi notória a falta de vontade que o chefe de Estado tinha em dar posse ao actual Governo. Ainda assim, sempre que fala desses meses, o actualmente primeiro-ministro fala de cooperação e de boa relação institucional.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • A Coelha
    08 fev, 2017 lis 09:51
    E os seus amigos vizinhos "banqueiros", deram-lhe inspiração!...
  • Se tiver tempo
    08 fev, 2017 Lx 09:45
    Quero ver se não o leio! Hipocrita e parcial. Uma mumia fora do sarcofago!
  • DR XICO
    07 fev, 2017 Lisboa 12:12
    O Alfarroba ainda mexe? não era suposto estar a arrumar os presépios da Maria e a comer bolo Rei. Não deixou saudades nenhumas este presidente um amigo dos ricos, patrões e poderosos.
  • Domingos
    06 fev, 2017 Ancora 22:21
    Que comentários verdes e sem sentido! Ignorância. Este comparado com Soares, Sampaio, ou Marcelo, fica-lhe muito acima!
  • Cidadão sofredor
    06 fev, 2017 Lisboa 18:50
    Ainda bem! Espero que venha escrito num tipo de papel macio, suave e inteiramente absorvente ...
  • Luis
    06 fev, 2017 Lisboa 18:12
    Coitado, nunca ninguém lhe disse que elas depois de feitas não podem ser apagadas.
  • Manuel
    06 fev, 2017 Moura 18:04
    Este ainda mexe ?
  • Rui teixeira
    06 fev, 2017 famalicao 17:56
    Este senhor devia era apresentar contas da sua politica, quer governativas quer como PR.Era num tribunal do género chinês.Mas acompanhado de muita gente.
  • fanã
    06 fev, 2017 aveiro 17:46
    Bem.........só me resta a escrever também um livro sobre "a pior Presidência que Portugal teve " , Sr. Silva , como o chamava o Madeirense !

Destaques V+