Tempo
|
A+ / A-

Alegações de abusos contra 7% dos padres envergonham Igreja australiana

06 fev, 2017 - 16:21 • Filipe d'Avillez

Relatório da Comissão Real revela que 4.444 pessoas fizeram alegações de abusos contra padres, religiosos ou funcionários da Igreja Católica. O arcebispo de Sydney sente "vergonha e tristeza".

A+ / A-

Os responsáveis da Igreja Católica na Austrália expressaram esta segunda-feira a sua profunda vergonha pelos dados revelados pelo inquérito da Comissão Real ao escândalo dos abusos sexuais de menores naquele país, desde a década de 1950.

A Comissão Real para as Respostas Institucionais aos Abusos Sexuais de Menores concluiu que desde 1980 a 2015 um total de 4.444 pessoas fez alegações de abusos contra padres, religiosos ou funcionários da Igreja Católica, sendo que essas alegações dizem respeito a um período que começa na década de 1950. Estas alegações, nem todas comprovadas, dizem respeito a 7% de todos os sacerdotes do país, sejam diocesanos ou de ordens religiosas.

Numa ordem religiosa, os Irmãos de São João de Deus, o número de padres contra os quais foram feitas alegações de abusos ultrapassa os 40% e noutras três ordens, os salesianos, os maristas e os Irmãos Cristãos, uma ordem religiosa muito activa na educação em países de língua inglesa, é superior a 20%.

"Falhanço massivo" da Igreja

A Igreja Católica, que colaborou com a comissão, já reagiu. Francis Sullivan, do Conselho de Verdade, Justiça e Reconciliação, que coordena a resposta da Igreja Católica a este inquérito, disse que os dados apresentados reflectem um “falhanço massivo” da Igreja na protecção de menores.

“Estes números são chocantes, trágicos e indefensáveis”, afirmou na audiência da comissão. “Enquanto católicos, estamos profundamente envergonhados."

O arcebispo de Sydney, Anthony Fisher, também recorreu à expressão “vergonha” numa nota publicada no site da diocese. “Sinto-me pessoalmente abalado e humilhado por esta informação, tal como tem acontecido com outras revelações da comissão até hoje. Tanto eu como a Igreja pedimos perdão por erros do passado que prejudicaram tantas pessoas. Sei que muitos dos nossos padres, religiosos e leigos sentem o mesmo”.

O arcebispo de Sydney, Anthony Fisher, reagiu através de um vídeo colocado no YouTube

O arcebispo refere que as estatísticas recolhidas pela comissão dizem respeito sobretudo às décadas de 50, 60 e 70 e que, desde então, as alegações são muito mais reduzidas, mas sublinha também que é preciso "reconhecer que há vítimas que ainda não tornaram públicas as suas acusações e outras que talvez nunca o façam”.

A advogada Monica Doumit, que tem acompanhado os trabalhos da comissão, comentando o dia-a-dia da estrutura para as páginas do "Catholic Weekly", da arquidiocese de Sydney, recorda os seus leitores de que os 4.444 casos de abusos – alguns dos quais não confirmados – relativos a várias décadas na Igreja são menores que os 5.474 casos de abusos confirmados para a Austrália em geral só em 2014 e 2015.

“Não se trata de apontar o dedo (um padre apenas já seria demais), mas uma recordação de que nos podemos juntar a outros na comunidade, nas instituições e nas famílias, no nosso compromisso pela segurança das crianças”, escreve.

Em 2012, quando foi anunciada a formação da comissão, a Renascença falou com Robert Hiini, jornalista australiano católico, que se mostrou esperançoso de que este processo fosse encarado pela Igreja como uma oportunidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • tuga
    06 fev, 2017 lisboa 17:06
    Depois vêm pedir para acolhermos refugiados com um ar muito evangélico!! que refugiados?? os que fogem de abusos sexuais da padralhada??? cambada de hipócritas.