Tempo
|
A+ / A-

Ondas podem atingir os 20 metros. É o primeiro grande temporal do ano

31 jan, 2017 - 08:13

Foi emitido o aviso vermelho para sete ilhas dos Açores. A Marinha aconselha medidas de prevenção e que se evitem passeios a beira mar.

A+ / A-

A costa portuguesa vai estar em aviso laranja, o segundo mais grave, a partir das 12h00 de quinta-feira por causa da forte agitação marítima, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Todo o litoral do continente estará em aviso devido às ondas de noroeste, que podem atingir os 12 a 14 metros de altura. Já nos Açores podem chegar aos 20.

Este aviso começa por ser amarelo a partir das 8h00 de quinta-feira e passa a laranja pelas 12h00, prolongando-se até às 6h00 de sexta-feira.

O IPMA emitiu um aviso vermelho, que corresponde a uma situação meteorológica de risco extremo, para sete ilhas dos Açores, onde as ondas podem chegar aos 20 metros.

Este aviso vigora nas ilhas do grupo ocidental, Corvo e Flores, entre as 11h00 de quarta-feira e as 2h00 de quinta-feira (mais uma hora em Lisboa), sendo que a altura máxima das ondas pode atingir os 20 metros.

Também foi emitido um aviso vermelho devido à agitação marítima para as ilhas do grupo central dos Açores - Faial, Pico, Terceira, São Jorge e Graciosa - entre as 17h00 de quarta-feira e as 2h00 de quinta-feira, sendo que a altura máxima da onda pode chegar aos 18 metros.

As ilhas do Corvo e das Flores vão estar ainda sob aviso laranja, entre as 5h00 e as 11h00 de quarta-feira, igualmente para agitação marítima, e entre as 5h00 e as 20h00 de quarta-feira, para vento.

O IPMA colocou ainda em aviso amarelo a costa norte da ilha da Madeira a partir das 15h00 de quinta-feira, igualmente devido à agitação marítima, com ondas de noroeste de quatro a cinco metros, tal como em toda a ilha de Porto Santo. Este aviso prolonga-se até às 7h00 de sexta-feira.

Medidas de prevenção

A Marinha Portuguesa e a Autoridade Marítima Nacional alertaram na segunda-feira para o agravamento severo do estado do mar a partir de quarta-feira, nos Açores, e de quinta-feira, no continente, aconselhando a tomada de medidas de prevenção.

Este agravamento é considerado de “risco”, pelo que devem ser tomadas medidas de prevenção por todos aqueles que se encontram no mar, nas infra-estruturas portuárias e outras áreas ao longo da costa.

De acordo com a Marinha, a forte ondulação fecha hoje à navegação três barras do continente e condiciona outras cinco ao tamanho das embarcações.

As barras de Caminha, Vila Praia de Âncora e Esposende estão hoje fechadas a toda a navegação, enquanto as barras da Póvoa de Varzim, Vila do Conde, Aveiro, Figueira da Foz e São Martinho do Porto estão condicionadas ao tamanho das embarcações.

Estão ainda condicionadas as barras das Lajes do Pico e da Madalena do Pico, na ilha açoriana do Pico.

[Notícia actualizada às 11h00]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Diogo
    31 jan, 2017 Porto 13:27
    O Zé Povinho ainda não percebeu quem está de aviso amarelo ou laranja ou vermelho! É natural, eu já pedi várias vezes á RR para esclarecer de uma vez por todas quem é que afinal está de aviso, mas eles insistem em não dizer. Simplesmente porque não sabem. No entanto se lerem com atenção, na notícia em lado nenhum diz que é a proteção civil a fazer os avisos. Portanto não confundir recomendações com avisos! Mais o Zé Povinho não sabe a diferença entre respeito e medo. Ou seja para o Zé Povinho alguém tem de respeitar o outro porque tem que ter medo dele. O respeito não é isso. O respeito é a dignidade que a pessoa merece! A natureza não se respeita, porque a natureza não é um ser humano. A natureza temos de temer, porque não somos capazes de lutar contra ela. Desta incapacidade nasce a figura do respeito associada à incapacidade com que o Zé Povinho se sente perante o abuso das autoridades, os tribunais, os políticos, etc... Então o Zé Povinho diz que respeita as decisões dos tribunais, mas a realidade o que ele tem é medo de algum dia ter que recorrer aos tribunais, pois não sabe se será feita justiça! Por isso, não importa que o Ze Povinho continue a confundir respeito com medo, pois eu também ás vezes digo que respeito a GNR! Por isso RESPEITEM A NATUREZA... ou seja FUJAM enquanto podem!
  • Zé Povinho
    31 jan, 2017 Lisboa 11:38
    Fenómeno interessante da "Mãe Natureza", que é preciso respeitar assim como se deve respeitar os avisos da proteção civil, através dos diversos meios de comunicação! Apela-se aos mais atrevidos, que não arrisquem a sua própria vida, pois faz cm que os que os que tenham que ir socorrer, ponham também em risco, a vida de que salva!
  • A.Oliveira
    31 jan, 2017 Almada 11:25
    "Ondas entre 8 e 10 metros"? .... Joãosinhos, duxesinhos e demais "inteligentes universitários", está na altura ideal para mais umas praxesitas nas praias Portuguesas
  • João
    31 jan, 2017 Barcelos 11:16
    Então ainda há pouco eram de 14 e agora já são de vinte? Por este andar daqui a nada estão optimas para o Macnamara surfar!
  • 31 jan, 2017 11:15
    Marinha desaconselha passeios á beira mar, tradução ( vão todos ver o mar com os telemóveis para tirar selfies ) para depois colocar em risco a vida dos outros que tem como missão o salvamento marítimo )

Destaques V+