Tempo
|
A+ / A-

Casa Branca esclarece: Imigrantes com residência permanente não serão impedidos de entrar

29 jan, 2017 - 18:00

Está em vigor desde sexta-feira a proibição de entrada nos Estados Unidos de pessoas de sete países. A actualização de contas dá 109 detidos e 200 impedidos de voar.

A+ / A-

A Casa Branca defende a aplicação do decreto de Donald Trump anti-imigração que desde sexta-feira levou à detenção de 109 pessoas nas fronteiras e impediu cerca de 200 de voarem para os Estados Unidos.

A ordem executiva assinada pelo Presidente norte-americano na sexta-feira proíbe a entrada a todos os refugiados durante 120 dias, assim como a todos os cidadãos de sete países de maioria muçulmana (Síria, Líbia, Sudão, Irão, Iraque, Somália e Iémen) durante 90 dias.

Os cidadãos daqueles sete países que possuem uma autorização de residência permanente ('green card') nos Estados Unidos "não são afectados", disse ao canal NBC o chefe de gabinete da Casa Branca, Reince Priebus, adiantando, no entanto, que poderão ser questionados aprofundadamente à sua chegada ao país.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, indicou que dos 325 mil estrangeiros que chegaram aos Estados Unidos no sábado "109 pessoas" passaram por um controlo reforçado. Para "garantir que as pessoas que deixamos entrar no nosso país vêm com intenções pacíficas", declarou hoje ao canal ABC.

"Não queremos deixar que se infiltre alguém que procure prejudicar-nos. É tudo. Sei que em alguns casos isto vai causar inconvenientes", adiantou.

Cerca de 200 outras pessoas foram impedidas de embarcar para os Estados Unidos, segundo disse a conselheira de Donald Trump Kellyanne Conway num programa do canal Fox News.

Sean Spicer justificou a ausência de um anúncio prévio que conduziu a uma situação caótica nos aeroportos, em particular em Nova Iorque, pela necessidade de "garantir que as pessoas não chegassem em massa antes de ser aplicado (o decreto)".

Segundo o jornal New York Times, no sábado à noite 81 pessoas tinham obtido autorização para entrar nos Estados Unidos após as "verificações extremas".

Iraquianos impedidos de embarcar. "É como as decisões de Saddam Hussein"
Iraquianos impedidos de embarcar. "É como as decisões de Saddam Hussein"
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Zeca
    29 jan, 2017 Grandola 18:24
    Acho que falta dizer que será aconselhável que os cidadãos Norte Americanos NÃO se desloquem para países Árabes. Isto vai dar molho!

Destaques V+