A+ / A-
revista de imprensa

Macedo é surpresa na Caixa para acalmar Bruxelas

02 dez, 2016 - 11:00

​Paulo Macedo deverá ser a novidade que o Governo irá, já hoje, apresentar a Bruxelas. É um nome comum a todos os jornais portugueses, que colocam o ex-ministro e antigo director-geral dos Impostos na liderança da Caixa Geral de Depósitos.
A+ / A-
Revista de Imprensa de temas europeus (02/12/2016)
Revista de Imprensa de temas europeus (02/12/2016)

Só falta oficializar a notícia, o nome de Macedo é há muito falado para a sucessão de António Domingues. Macedo é o nome com que António Costa pretende acalmar as águas, depois da polémica gerada pela recusa dos administradores de entregarem as suas declarações de património. Bom, mas isso serão águas passadas e o “Jornal de Negócios” apresenta já um longo sumário que Macedo terá sido chamado a desenvolver:

-decidir o destino dos 3 gestores de Domingues que não renunciaram.

-pacificar a relação entre a Gestão e os quadros.

-concluir a capitalização do Banco, que inclui uma ida aos mercados.

-executar o plano de Negócios

-(porventura o ponto mais complexo) lidar com as diferentes visões que os políticos têm da Caixa.

Lá por fora, Hollande é já hoje uma carta fora do baralho na corrida às Presidenciais francesas. Ficou a saber-se, a noite passada, que não se recandidata ao cargo. É mesmo a primeira vez em que um Presidente francês não avança para o “encore”.

Lê-se, no “Público”, que a decisão foi “tomada em nome do superior interesse do país”, e para unir a Esquerda. A verdade é que Manuel Valls tem agora caminho aberto para discutir o Eliseu com François Fillon e Marine Le Pen. Importa, a propósito, ler hoje o editorial do “Le Figaro”, com um título sugestivo: “O Presidente que não o chegou a ser”. O texto de opinião prossegue com uma pergunta: De tão calamitoso mandato, que imagem fica para os franceses? Seja como for, conclui, “A França, ela, já virou a página. Sabe bem que a noite passada Hollande não renunciou, simplesmente, a lutar por um segundo mandato. Na verdade nunca foi presidente.

Também o “Le Monde” chama hoje uma pergunta à primeira página: Será útil para Manuel Valls a decisão de François Hollande? Outra pergunta: Terá morrido o Hollandismo, viva o Vallsismo?

Por Madrid tem andado, nas últimas horas, Jean-claude Juncker. O presidente da Comissão Europeia falou aos jornalistas espanhóis em que se manifesta convicto de que a “Turquia irá cumprir o pacto migratório que assinou com a União Europeia”. Citado pelo “El Mundo”, Juncker lembra que a “Turquia precisa tanto da Europa como nós da Turquia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.