A+ / A-
trabalho sem fronteiras

“Cultura do empreendedorismo devia começar na escola”

30 nov, 2016 - 14:29

Startups e empreendedorismo. Num mês em que Portugal recebeu a Web Summit, vamos conhecer uma startup do Porto que já é uma empresa de média dimensão. A Headclick começou com 3 pessoas e já tem mais de 100. Tudo porque apostou em mercados como o resto da Europa. Falámos ainda com o secretário de Estado da Indústria, que realça a importância do programa Portugal 2020 para estes projectos.
A+ / A-
Trabalho Sem Fronteiras - a importância das startups e do empreendedrismo (30/11/2016)
Trabalho Sem Fronteiras - a importância das startups e do empreendedrismo (30/11/2016)

Quando apareceu, em 2007, não havia gestão de mercado digital, explica a responsável da empresa, Ana Bicho, ao repórter Pedro Mesquita. Nasceu às portas da crise e um dos fundadores, Pedro Roque, explica que os mercados internacionais e europeus foram fundamentais.

“Não temos cultura do empreendedolrismo”, queixa-se Ana Bicho, que acha que as universidades (ou até as secundárias) deviam ter este tema de ensino como algo obrigatório.

Numa altura em que muito se aposta nas startups como forma de desenvolvimento económico, são cada vez mais os apoios financeiros (nomeadamente europeus) e o secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos diz que estas empresas á têm um grande peso. “Metade do novo emprego criado em Portugal tem origem nestas empresas”, explica o governante. “São empresas que valorizam a criatividade, a tecnologia e os seus recursos humanos”, lembra.

Segundo João Vasconcelos, as empresas estão a fazer um grande esforço para diversificar os seus mercados, nomeadamente na Europa. E, para impulsionar estas empresas, “no âmbito do Portugal 2020, estamos a falar de cerca de 500 milhões de euros em 4 anos para investimentos iniciais”.

O outro lado do espelho

Mas se há uma “necessidade” de haver empreendedorismo, também há quem tenha outra opinião. Raquel Varela, investigadora de História Contemporânea da universidade Nova de Lisboa, acha que há uma ideia do “self-made man” que é errada. Para esta professora, a solução pode não estar neste tipo de empresas, até porque encontra uma relação entre este novo tipo de negócios e a taxa de desemprego. “Há uma ideologia (errada) de que o desemprego se combate graças a uma ideia genial que alguém tenha” e não é assim, afirma.

“É importante que as pessoas tenham a iniciativa, mas ela não é exclusiva de alguém que cria a empresa”. As pessoas podem ter um trabalho garantido e trabalkhar bem, mas o que se verifica é que quando as pessoas sentem o emprego em perigo, acabam por não inovar, por ter medo de arriscar com novas ideias.

Por outro lado, Raquel Varela chama a atenção para o facto de “95% das startups entrarem em falência ao fim de 5 anos”. Portanto, a maioria das startups “são projectos que falham num período de 5 anos e não sabemos quantas deixaram dívidas, nomeadamente familiares endividados ou penhorados”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.