Tempo
|
A+ / A-

​Economia portuguesa cresce 1,6% no terceiro trimestre

15 nov, 2016 - 10:15

Ministro das Finanças garante que números são sustentados "pela melhoria da confiança e do emprego".

A+ / A-

A economia portuguesa cresceu 1,6% no terceiro trimestre deste ano em termos homólogos e 0,8% face ao trimestre anterior, segundo a estimativa rápida divulgada esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e acima das previsões dos analistas.

Segundo o INE, o resultado acima do que era previsto deve-se a uma aceleração das exportações do que das importações, bem como da procura interna. De acordo com os dados agora publicado, as famílias estão a consumir mais bens não duradouros.

Esta é a primeira estimativa relativamente ao crescimento económico no terceiro trimestre, depois de entre Abril e Maio a economia portuguesa ter crescido 0,9% em termos homólogos e 0,3% em cadeia.

O Governo inicialmente previa um crescimento económico de 1,8% para 2016, mas esse valor foi revisto em baixa para 1,2%, quando foi apresentado o Orçamento do Estado para 2017.

Ministro das Finanças satisfeito

O ministro das Finanças, Mário Centeno, reagiu com satisfação aos números do INE. De acordo com Centeno, o crescimento da economia no terceiro trimestre foi sustentado pela melhoria da confiança e do emprego.

"Este crescimento da economia é sustentado num aumento da confiança e nas melhorias já muito assinaláveis que vínhamos notando no mercado de trabalho", salientou.

Numa declaração aos jornalistas, o governante destacou que nos primeiros nove meses do ano foram criados 127 mil empregos, enquanto nos últimos seis meses de 2015 tinham-se perdido 75 mil empregos.

"É esta a mudança de rumo que pretendíamos para a economia portuguesa", reforçou Mário Centeno.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ribeiro
    16 nov, 2016 Rogil 00:18
    Ah diabo!!! Nem no INE acreditam? ahahahahah vão ouvir o mesmo do Eurostat daqui a nada. Coitados dos PAFientos.
  • João Santos
    15 nov, 2016 Porto Santo 19:16
    Os meus parabéns ao governo, em especial ao ministro das finanças que afinal, vai acertando no que diz. Os portugueses não estão habituados a que o que se diz se faça, mas sim fica para depois.
  • artur
    15 nov, 2016 braga 14:54
    o eugenio o povo nao precisa da derrota de ninguem precisa e de dinheiro e de certezas e nao de politiquices direita esquerda esquerda direita vira o disco e toca o mesmo com o socrates eu era pobre com coelho eu era pobre com costa pobre sou ha 8 anos atras nao tinha dinheiro para pagar a agua agora nao tenho para pagar a luz que importa se se e costa ou se e coelho se eu os vejo no ceu e eu no inferno
  • Eugénio Rodrigues
    15 nov, 2016 Angra do Heroísmo 14:10
    Oh Artur...agora o INE já não é uma fonte fidedigna?...vale tudo...a malta da PAF anda de derrota em derrota até ao colapso final...estou a adorar.
  • Ribeiro
    15 nov, 2016 Antuã 13:16
    Eheheh o diabo foi mesmo de férias.
  • artur
    15 nov, 2016 braga 12:21
    la veem os doutores da esquerda cantar victorias e contar historias se houve mais exportacoes agradecam aos empressarios e a quem importou e nao ao governo se os portugueses gastaram mais sera porque foram obrigados a gastar mais eu ja ando neste mundo a muitos anos e nao ha muitos meses e sei que essas estatisticas sao sempre feitas a medida e por encomenda sao com as eleicoes na america em que todas as estatisticas davam como certa a derrota de quem acabou por ganhar o povo portugues nao precisa de estastisticas nem de previsoe precisa e de bons resultados e esses se os ha nao se sentem no bolsso nem na vida do ze povinho
  • atento
    15 nov, 2016 viseu 11:54
    Quem se deve estar a roer de inveja, devem ser os neoliberais, o PSD do Passos Coelho e os seus mais directos colaboradores!!! Estiveram no governo e só criaram miséria, desemprego e pobreza. Se tem dúvidas, vejam quantas Instituições de solidariedade (foram criadas) existem neste momento, e quantas existiam antes do governo do Pedro Passos Coelho do PSD e do Paulo Portas do CDS. Isto é que deveria ser um trabalho de um verdadeiro jornalismo. E mais não digo!
  • graciano
    15 nov, 2016 alemanha 11:32
    bom ai esta na semana passada o vice primeiro ministro costa disse que as noricias esta semana seriam melhores e ai estao os amigos a dar boas noticias e uma alegria e um espanto como este governo faz tantos milagres e como as estatisticas sao sempre de crecimento e o povo cada vez a ter menos dinheiro na carteira entao se tudo esta a crescer e a divida a aumentar o governo que explique quem e que esta a ficar o dinheiro este instituto de estastisticas nao passa de uma gamela on de mais alguns porcos comem sem fazerem nada
  • Luis
    15 nov, 2016 Lisboa 11:25
    Ai o diabo qua anda mesmo aí. A pôr patins nos pézinhos do Bruxo de Massa Má. Lá terá o Rui Rio que o benzer.
  • andré
    15 nov, 2016 Portugal 11:13
    Mesmo assim continua a crescer pouco. Na realidade o crescimento actual não se chama crescer, chama-se gastar. O resultado vai ser bonito.

Destaques V+