Tempo
|
A+ / A-

E o ​Prémio Leya vai para… ninguém

21 out, 2016 - 15:51

Já tinha acontecido em 2010.

A+ / A-

Pela segunda vez desde que foi criado, o Prémio Leya fica por atribuir. Já tinha acontecido em 2010, volta a acontecer agora.

O júri decidiu por unanimidade não entregar o prémio por considerar que as obras a concurso não apresentaram a qualidade exigida.

Foram entregues 449 originais, dos quais foram seleccionados 29, mas nenhum reuniu o agrado do júri presidido pelo escritor Manuel Alegre.

Criado em 2008 para distinguir um romance inédito escrito em língua portuguesa, o prémio tem no valor de 100 mil euros já distinguiu os escritores João Paulo Borges Coelho, João Ricardo Pedro, Nuno Camarneiro ou Gabriela Ruivo Trindade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.