A+ / A-

A história comovente do pássaro que salvou uma família

17 out, 2016 - 12:57

Depois de uma queda que a deixou paralisada do peito para baixo, Sam Bloom caiu numa depressão profunda. Mas acabou por chegar uma ajuda improvável – um passarinho acabado de nascer que tinha caído do ninho.
A+ / A-

Foi em Janeiro de 2013, numas férias em família na Tailândia com o marido, Cameron, e os três filhos pequenos, que Sam sofreu a queda que a paralisou. Seis semanas depois, ficou a saber que nunca mais ia poder andar.

De volta à Austrália, os seis meses seguintes no hospital foram difíceis e Sam chegou a desejar ter morrido. Mas, três meses depois, já em casa, aconteceu o inesperado. Numa visita à avó, um dos rapazes encontrou um passarinho com duas ou três semanas que tinha caído ao chão. Decidiram adoptá-lo.

A família salvou o pássaro, mas foi o pássaro que acabou por salvar a família.

Quando se juntaram para cuidar da pega bebé, a quem chamaram Penguin por causa da sua penugem preta e branca, alegria voltou à casa e Sam conseguiu virar a página.

“Adorava tê-la por perto porque me fazia companhia. Estava sempre ao pé de mim e fazia-nos rir”, diz Sam, que aproveitou para desabafar com a Penguin e dar uma folga ao marido.

Cameron, fotógrafo de profissão, passou a tirar fotografias da Penguin e criou uma conta no Instagram para documentar as suas aventuras. Ao fim dos dois anos em que o pássaro ficou com a família, já tinha tirado 14 mil fotografias.

A Penguin ganhou asas e assumiu a sua independência. De vez em quando, ainda faz uma visita à família. Encontrou uma nova vida, tal como a mãe Sam, que, no ano passado, conseguiu entrar para a equipa paralímpica de canoagem. As fotografias da Penguin na internet tornaram-se virais sem que ninguém conhecesse a história da família Bloom. Agora, decidiram contá-la em livro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Dr Xico
    18 out, 2016 Lisboa 15:56
    História bonita, não merece comentários? Noticias de amor, beleza, alegria não dão "canal", Bem haja quem fez a reportagem que pode dar animo a muita gente necessitada.
  • O país da diversão
    17 out, 2016 Lisboa 17:16
    Como o titulo diz isto é uma história, não uma notícia. Temos um mau jornalismo neste país. Se recorrêssemos aos media para denunciar maus tratos a seres humanos praticados pelos poderes cá, o caso era ignorado/censurado. Mas esta diversão que aconteceu há 3 anos a milhares de quilómetros é notícia! Os portugueses que tirem as suas conclusões sobre o objetivo dos media