Tempo
|
A+ / A-

Embaixadores do Papa denunciam perseguições religiosas

19 set, 2016 - 12:19 • agência Ecclesia

Núncios apostólicos encerram encontro celebrativo do Jubileu da Misericórdia com apelo à paz.

A+ / A-

Os núncios apostólicos, representantes diplomáticos do Papa, alertaram esta segunda-feira para as perseguições religiosas em vários países e apelaram ao compromisso dos políticos para encontrar soluções de paz.

“Manifestamos solidariedade a todas as vítimas inocentes e a quantos sofrem discriminação e perseguições por causa da fé religiosa; elevamos por eles a oração ao Pai de toda a misericórdia”, refere a declaração dos responsáveis, divulgada pela sala de imprensa da Santa Sé.

Mais de 100 embaixadores dos cinco continentes estiveram reunidos entre quinta-feira e sábado, no Vaticano, para a celebração do seu jubileu, no ano santo extraordinário.

No final do encontro, os representantes pontifícios dirigem um “apelo urgente” à comunidade internacional e aos governantes, para que “trabalhem ainda mais eficazmente a fim de travar a violência e resolver pacificamente os conflitos em várias partes do mundo”.

O Papa Francisco recebeu este sábado os núncios apostólicos, com quem celebrou Missa, e sublinhou a importância de “conhecer” o país para onde são enviados, para promover uma cultura de “diálogo”.

Ainda no âmbito das celebrações do Jubileu da Misericórdia, o Papa promove a 18 de Novembro um encontro para o qual convidou 163 colaboradores efectivos de representações pontifícias: conselheiros, secretários e adidos.

O núncio em Portugal é o arcebispo italiano D. Rino Passigato, de 72 anos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+