Tempo
|
A+ / A-

​Estudo revela que pó doméstico contém tóxicos ligados ao cancro e infertilidade

14 set, 2016 - 22:43

A investigação foi feita pelas universidades de Washington, Harvard e Califórnia, em diferentes ambientes, como casas, escolas e ginásios de 14 estados norte-americanos.

A+ / A-

Cientistas norte-americanos descobriram dezenas de químicos nocivos no pó doméstico que poderão estar associados a alguns problemas de saúde, nomeadamente ao cancro e problemas de fertilidade.

"Achamos que as nossas casas são um refúgio seguro, mas, infelizmente estão poluídas por substâncias químicas oriundas de todos os produtos que utilizamos", disse Veena Singla, co-autora do estudo do “Natural Resources Defense Council” (NRDC), na Califórnia.

Os cientistas confirmaram que as crianças são um grupo particularmente vulnerável porque jogam, brincam ou rastejam e tocam com a boca no chão.

As crianças têm “muito mais exposição a produtos químicos oriundos de pó doméstico e são mais vulneráveis aos efeitos tóxicos porque o cérebro e o corpo ainda estão em desenvolvimento", diz Veena Singla.

Os estudos foram feitos em diferentes ambientes, como casas, escolas e ginásios de 14 estados americanos. Os resultados são “preocupantes”, afirma a investigadora.

Entre as substâncias consideradas nocivas está o retardador de chama, frequentemente encontrado em espuma de móveis ou produtos para bebés, pode causar cancro. Um segundo género de retardador de chama encontrado pode também afectar o sistema reprodutivo e nervoso.

Outras substâncias tóxicas encontradas, em quase todas as amostras de pó, são conhecidas como ftalatos. Podem estar em pisos de vinil, embalagens de alimentos, produtos de higiene pessoal e estão associados a problemas de desenvolvimento dos bebés, disfunção hormonal e podem afectar também o sistema reprodutivo.

Existem químicos que estão a ser eliminados de produtos para bebés, mas Veena Singla alerta para que “muitos desses produtos químicos ainda estejam a ser utilizados em casa”.

No entender da especialista, há medidas que podem ser tomadas para reduzir a exposição ao pó contaminado. Usar um aspirador com um filtro de partículas de ar de alta eficiência; lavar as mãos antes de comer com sabão comum, sem perfumes; e limpar o pó com um pano húmido, são alguns dos conselhos deixados pelos especialistas.

A investigadora sugere também a utilização da aplicação “Silent Spring Detox Me”, que informa os utilizadores sobre formas de reduzir a exposição a produtos químicos potencialmente nocivos onde vivemos ou trabalhamos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sandra Costa
    13 fev, 2018 Rio Mouro 11:43
    Solução athmosphere sky
  • AM
    15 set, 2016 14:26
    Tanta asneira junta!
  • AP
    15 set, 2016 Portugal 08:17
    feliz a malta que vive nos trópicos e que ficam satisfeitos com uma barraca junto à praia... não têm problemas destes porque a ventilação natural limpa tudo e têm filhos aos magotes...
  • José Manuel Fernande
    15 set, 2016 Mem Martins 00:14
    E esta malta só encontou o que foi a procura porque há muito mais especialmente em consequência da presença de animais ditos doméstico em ambientes como os apartamentos onde devia ser proibida a sua presença e não como quer o partido dos animais obrigar toda a gente a ter num prédio que não foi projetado para a presença e vida animal autênticos canis onde vivem humanos

Destaques V+