Tempo
|
A+ / A-

Marcelo agradece à Igreja por ter tornado a crise "menos dura"

13 set, 2016 - 20:07 • Inês Rocha

A saída da crise "não será nem fácil nem rápida nem homogénea, ou seja, igual para todos", diz o Presidente.

A+ / A-
Marcelo destaca importância das instituições católicas na “saída da crise”
Marcelo destaca importância das instituições católicas na “saída da crise”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta terça-feira que as instituições ligadas à Igreja Católica “garantiram que a crise fosse menos dura do que podia ter sido, sendo embora muito penosa”.

Impedido de estar presente por motivos de agenda, o Presidente da República deixou uma mensagem em vídeo ao público do XXX Encontro da Pastoral Social, que decorre em Fátima, onde sublinhou o papel da Igreja durante os anos da crise económica em Portugal.

Marcelo deixou uma palavra de alento para o início dos trabalhos. "O Presidente da República acompanha as vossas preocupações, as vossas reflexões, está atento ao vosso contributo e agradece-o em nome de Portugal", afirmou.

A saída da crise "não será nem fácil nem rápida nem homogénea, ou seja, igual para todos", avisou.

"Ecologia integral"

O tema para o encontro deste ano da Pastoral Social é “A Laudato Si no Ano da Misericórdia”. Os debates partem assim da Encíclica do Papa Francisco sobre a natureza e a "ecologia humana" para reflectir também sobre a Misericórdia e o papel da Igreja no combate à pobreza.

Na abertura dos trabalhos, o cardeal patriarca, D. Manuel Clemente, disse gostar do tema da ecologia, principalmente quando é pensada como "ecologia integral", que coloca o ser humano como referência. O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa lembrou que o mundo precisa de uma cultura mais ecológica.

"Resolver os problemas da sociedade é resolver os problemas do mundo, desta nossa casa comum. Se não os resolvermos sistematicamente, também não os resolveremos particularmente, com pseudo-soluções de agora", disse D. Manuel Clemente na abertura do encontro.

Também o presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana, D. Jorge Ortiga, dirigiu palavras de encorajamento à plateia, para que este encontro ajude a que as comunidades cristãs se desinstalem das rotinas e coloquem a ecologia no centro da sua acção.

Durante esta tarde, decorre também uma intervenção do ambientalista Francisco Ferreira, presidente da Zero, acerca dos desafios que as alterações climáticas colocam ao mundo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • TUGA
    14 set, 2016 LISBOA 12:06
    A QUE IGREJA SE REFERE??? ANDA POR TODAS e há tantas!!!! COITADO DO CRISTO MORREU PARA TANTA GENTE VIVER À SUA CONTA. É A FÉ QUE NOS SALVA MAS É COM COMER QUE SE MATA A FOME!!! SE FOR MUÇULMANA ESTÁ É A MAMAR!!! MILHÕES DOS NOSSOS IMPOSTOS QUE FORAM ROUBADOS PELA CAMARA MUNICIPAL DE LISBOA PARA ELES FAZEREM UMA MESQUITA!!!!! DEPOIS.......... VÊ-SE O TETO DO HOSPITAL DE S. JOSÉ CAIR POR FALTA DE MANUTENÇÃO!!!!
  • rg
    14 set, 2016 Lisboa 08:45
    Era honit
  • rosinda
    14 set, 2016 palmela 00:38
    Quando a classe media estiver bem espremida!Começamos a olhar para o ceu e vao começar a cair pacotes de leite arroz massa e quem sabe nao começa a chover azeite!
  • qual igreja?
    13 set, 2016 lisboa 22:07
    Qual igreja? A catolica ou a muçulmana? É que...que eu saiba o Marcelo fez a sua tomada de posse numa mesquita. . como tal... Não sei a que igreja se refere.

Destaques V+