|
A+ / A-

​Chumbos do BCE na Caixa. Governo pôs Portugal em situação “humilhante”, diz PSD

18 ago, 2016 - 13:06

A decisão do BCE atesta "a incompetência máxima" do Governo e mudar a lei é "patético". CDS fala em "oportunidade" para corrigir estratégia para a Caixa.

A+ / A-

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, afirmou esta quinta-feira que a decisão do Banco Central Europeu (BCE) em rejeitar oito dos nomes propostos para o Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos atesta a "incompetência" do Governo. Já o CDS diz que é uma “oportunidade” para o Governo reduzir os administradores e não aumentar vencimentos.

A decisão do BCE atesta "a incompetência máxima" do Governo, ao dizer que este "não está a aplicar a sua própria lei", sublinhou Luís Montenegro, que falava em Loulé, no Algarve, considerando a situação "humilhante e embaraçosa" para o Estado português.

O BCE aprovou os 11 nomes propostos pelo Governo para o Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos, mas rejeitou outros oito por excederem o limite de cargos em órgãos sociais de outras sociedades.

Entre os nomes rejeitados, segundo o "Jornal de Negócios", estão Leonor Beleza, presidente da Fundação Champalimaud, Carlos Tavares, líder do grupo Peugeot Citroën, e Ângelo Paupério, co-presidente executivo da Sonae.

A intenção, entretanto anunciada pelo secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, de alterar a lei bancária para recuperar "alguns" dos oito nomes rejeitados é vista pelo PSD como algo "patético", referiu Luís Montenegro, criticando uma alteração legislativa que será "feita à medida, para ultrapassar a sua própria incompetência".

Outros oito administradores não-executivos propostos foram reprovados por excederem o limite ao número de funções desempenhadas em órgãos sociais de outras sociedades previsto no Regime Geral das Instituições de Crédito e das Sociedades Financeiras (RGICSF).

“Penoso”, diz o CDS

O CDS-PP defende que o chumbo do BCE a oito dos 19 nomes propostos para o Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos é uma “oportunidade”.

"O Governo devia aproveitar esta oportunidade para, primeiro, reduzir o número de administradores da Caixa, e, segundo, não aumentar os vencimentos dos administradores", afirmou Pedro Mota Soares.

Em declarações aos jornalistas no Parlamento, o dirigente e deputado centrista lembrou que o CDS já deu entrada com um pedido de apreciação parlamentar da lei que permite aumentar o salário dos administradores, que deverá ser agendada em Setembro.

"É penoso que tenha de ser o BCE a impor o bom senso que o Governo de Portugal manifestamente não teve. Aumentar o número de administradores da Caixa Geral de Depósitos, aumentar o salário dos administradores da Caixa Geral de Depósitos quando se está ainda a pedir tantos sacrifícios aos portugueses e se vai pedir sacrifícios aos trabalhadores da Caixa é um total contra-senso", afirmou.

Mota Soares sublinhou que "o Governo ainda não falou do plano de recapitalização da Caixa que tem de dar como explicação aos portugueses", nomeadamente o valor necessário, porque é necessário e quanto desse valor será pedido aos portugueses e terá impacto no défice.

Eventuais despedimentos, reduções na rede de balcões e mudanças no plano de negócios são outras as questões reiteradas pelo CDS quanto ao banco público.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • graciano
    22 ago, 2016 alemanha 16:27
    alguem ai se recorda que no governo de socrates ja nem acucar havia em portugal porque o pais nao tinha dinheiro para pagar aos fornecedores nao me admirarei se daqui a um ou dois anos nao estejamos na mesma situacao
  • Jorge Silva
    20 ago, 2016 Lisboa 16:48
    O BCE, rejeitou alguns nomes para a administração da CGD, pelo facto dessas pessoas já fazerem parte de várias administracoes de várias Empresas. O que é quer dizer não há neste país pessoas capazes disponíveis para exercer aqueles cargos? Talvez seja por isso aue a gestão das Empresas Públicas e dos Bancos deste país estão como estão.
  • Eborense
    19 ago, 2016 Évora 19:22
    Uma coisa é verdade. Todos os apoiantes da geringonça têm uma coisa em comum. Nenhum deles é BURRO, o que me leva a acreditar cada vez mais na teoria de que o BURRO é um animal inteligente. Ao "AO Eborense" Quando te referes a memória curta estás a referir-te a mim ou a ti? Nem te vou responder, porque não mereces que perca tempo contigo.
  • Ao eborense
    19 ago, 2016 Lx 14:46
    Espanha também pediu 100 mil milhões e não autorizou que lá entrasse a troika, ao contrario dos PSDs e CDSs que até consideraram que era benefica a entrada da troika em Portugal tendo inviabiluzado tudo o que fosse alternativa! O negociador Catroga até se vangloriou pelas negociações e Passos Coelho fez do memorando da troika o seu programa de governo! Aqui começou a humilhação! Memoria curta ou pretender esconder os factos?
  • Eborense
    19 ago, 2016 Évora 12:32
    O governo anterior meteu a o País em situação humilhante, mas o Governo do Sr. Sócrates que levou o País à falência, não! Como alguém diz, no governo anterior andou-se de joelhos aos pés da Alemanha. É verdade! Depois do que foi a humilhação de ter que pedir 78 mil milhões de euros aos outros países, o governo anterior teve que se sujeitar a muita coisa para o salvar. Espero que daqui a alguns tempos em vez de andar de joelhos não tenhamos que rastejar. Será certamente muito pior.
  • isidoro foito
    18 ago, 2016 elvas 21:44
    não foi este governo que meteu o pais em situação humilhante foram os fascistas do psd e cds quando se deixaram andar de joelhos aos pés da Alemanha nazi e do bce , porque são todos da direita radical fascista e como este governo e de esquerda não gostam dele
  • ao josé
    18 ago, 2016 lis 17:38
    em Braga. Se há "falta de iliteracia" então, o povo tem literacia!... Afinal em que ficamos?...
  • José
    18 ago, 2016 Braga 16:06
    Haja paciência...Sem dúvida, é mesmo assim... Em Portugal, temos sempre o eterno problema, que peçam aos outros, mas que não venham mexer connosco, com os nossos interesses... Mais uma vez, aqui está espelhada a miséria deste País. Salários milionários são pagos, para que estes senhores levem bancos, empresas, e até o próprio Estado à falência… Em primeiro lugar, existem muitas pessoas licenciadas com mestrados e doutoramentos inscritas no centro de emprego, que até não se importavam de trabalhar, com mais qualificações que muitos destes senhores... Acumulação de cargos...Sem dúvida para amigos...Pelos visto, não querem diminuir a taxa de desemprego...Formação para que, se há licenciaturas feitas ao domingo...Mas, no meu disto tudo, ainda está o mais importante, que é a falta de iliteracia do povo, que pouco questiona, não põe em causa e tudo aceita de animo leve… E assim, se vai mantendo o povo estupidecido ... Mas, de uma coisa não tenha dúvida, este estado de coisas só acontece porque nós deixamos...
  • Mais humilhante
    18 ago, 2016 Pt 15:38
    Do que 4 anos de subserviencia à troika e a Bruxelas, não há! Estes PSDs vê-se mesmo que não têm mais nada para propor como oposição do que fazerem de incendiarios politicos!