A+ / A-

“Últimos dias fazem lembrar os piores anos de incêndios em Portugal”

11 ago, 2016 - 07:59

Nos últimos dias, o número de fogos registados ultrapassou sempre as 300 ocorrências, mobilizando milhares de bombeiros.
A+ / A-

O Comandante da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) recorda as “más memórias” dos anos de 2003, 2005 e 2012. José Manuel Moura comparou a actual situação climatérica ao registado nos piores anos de incêndios no país.

“Esta severidade só a vamos encontrar em anos que temos más memórias”, lembrou em conferência de imprensa, na quarta-feira à noite, o Comandante Operacional referindo-se aos anos de 2003, 2005 e 2012, em que se viveram “condições climatéricas muito adversas”.

Nos últimos dias, o número de incêndios registados no país ultrapassou sempre as 300 ocorrências.

“As populações têm de ter um estado de alerta significativo se houver alguma situação de haver necessidade de evacuação”, sublinhou o comandante, lembrando que existem situações em que “a velocidade de propagação do vento é de tal ordem que não há condições para fazer o combate”.

Nesses momentos, a preocupação máxima de quem está a trabalhar no terreno é “a defesa das pessoas e bens” e “todo o cuidado é pouco”, disse.

O agravamento das previsões meteorológicas nos últimos dias levou a que o Governo accionasse o pré-alerta do mecanismo europeu de Protecção Civil, que acabou por ser activado na terça-feira: “Prevíamos que hoje ia ser um dia particularmente difícil”, recordou o comandante durante a conferência de imprensa realizada em Carnaxide.

Portugal solicitou quatro mecanismos de combate e a Itália já disponibilizou um avião Canadair que chega a Portugal esta quinta-feira. “Em 13 anos, esta é a 11.ª vez que o mecanismo é activado”, lembrou.

Bombeiros sem registo de situações graves

Os incêndios dos últimos dias têm mobilizado milhares de bombeiros que têm conseguido combater as chamas sem que haja, até ao momento, situações graves de saúde, sublinhou o comandante da Protecção Civil.

“Felizmente, só temos situações ligeiras, de inalação de fumos, não temos nenhuma situação de trauma, nenhuma situação grave. Atendendo à dimensão e ao problema que estamos a ter, é uma situação digna de registo”, garantiu hoje o comandante operacional nacional da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), José Manuel Moura, durante uma conferência de imprensa realizada esta noite em Carnaxide.

O responsável referia-se aos combatentes, aos bombeiros, à força especial de bombeiros, aos Grupos de Intervenção de Protecção e Socorro (GIPS da GNR) e aos Sapadores florestais. No total, são milhares de homens que diariamente combatem as chamas um pouco por todo o país. Só hoje, estiveram a combater as chamas quase seis mil homens.

“Toda a formação que é dada ao longo do ano, as acções de treino operacional, foram muito focadas na segurança das forças”, explicou.

José Manuel Moura garantiu ainda que estão asseguradas todas as condições para estes profissionais possam trabalhar e descansar, admitindo, no entanto, que possa haver teatros de operação mais complicados onde não se pode garantir que “o almoço é à uma da tarde e o jantar às oito”.

Plano de emergência prolongado

O presidente da Comissão Distrital de Protecção Civil (CDPC), José Maria Costa, anunciou o prolongamento, por mais 48 horas, do Plano de Emergência Distrital (PED) devido à previsão de agravamento das condições climatéricas.

"As condições climatéricas prevêem algum agravamento durante a noite e estamos com algumas ocorrências, no distrito que nos merecem a maior preocupação", disse hoje aos jornalistas José Maria Costa, que é também presidente da Câmara de Viana do Castelo, no final de uma reunião de trabalho com a ministra da Administração Interna no Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS).


Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • VIRIATO
    11 ago, 2016 Condado Portucalense 10:44
    Enquanto não voltar a haver pena de morte nos países sujeitos a comportamentos selvagens como os que a seguir enumerarei, de gente protegida pela esquerdalha, que a pretexto de leis implementadas por parlamentos conspurcados e dominados por vícios, que protegem estes parasitas, estão a conduzir as nossas sociedades para a desordem e o caos. Quem tem medo de ordem, de formação cívica e de comportamentos humanistas?...Eu respondo. a LGBT, os pedófilos os pirómanos, os assassinos que matam por prazer e a comunicação social que alimenta estes monstros e que os protege da LEI E DA ORDEM.
  • paulo
    11 ago, 2016 vfxira 09:10
    Todos os anos é sempre a mesma coisa.Será o negócio do fogo?haverá tantos pirómanos?e os que são apanhados,porque não cumprem penas de prisão de muitos anos?A lei não o permite?Mude-se a lei.Porque não se limpam as matas (do estado e particulares) pelo exercito,pelas cameras e autarquias)porque não poem a GNR a patrulhar as matas e locais problemáticos? porque não fazem corta fogos,acessos para as viaturas dos bombeiros etc,porque não constroem reservatórios em cimento,durariam muitos anos e os gastos compensariam certamente o investimento e aproveitavam-se as águas da chuva em milhões de litros,que serviriam para ajudar os bombeiros? Depois de tantos anos,de tantos governantes, é triste continuar a assistir este espectaculo todos os anos.