Tempo
|
A+ / A-

Arcebispo brasileiro renuncia devido a escândalo de abusos

06 jul, 2016 - 14:49 • Filipe d'Avillez

D. Aldo di Cillo Pagotto aceitou, nos seus seminários, candidatos ao sacerdócio expulsos de outras dioceses, alguns dos quais eram acusados de abusos sexuais.

A+ / A-

O Papa Francisco aceitou esta quarta-feira a resignação do arcebispo da diocese de Paraíba, no Brasil.

D. Aldo di Cillo Pagotto tem 66 anos, estando, por isso, a cerca de uma década da idade normal para a resignação de um bispo, mas foi viu-se envolvido num escândalo de abusos que deflagrou na sua diocese.

Não tendo sido acusado directamente de abusos, o arcebispo terá aceitado nos seminários da sua diocese candidatos ao sacerdócio que tinham sido expulsos de outros lugares. Alguns destes, veio-se a saber posteriormente, eram acusados ou suspeitos de abusos sexuais de menores e outros desvios comportamentais.

O arcebispo já tinha sido suspenso de ordenar novos padres o ano passado, na altura em que começou a investigação ordenada pela Santa Sé.

Numa carta publicada no site da diocese, o arcebispo admite o seu erro: “Acolhi padres e seminaristas, no intuito de lhes oferecer novas chances na vida. Entre outros, alguns egressos, posteriormente suspeitos de cometer graves defecções, contrárias à idoneidade exigida no sagrado ministério. Cometi erros por confiar demais, numa ingénua misericórdia”.

Na mesma carta, porém, o arcebispo denuncia um clima de perseguição de que terá sido alvo por parte de agentes políticos, comunicação social e até mesmo padres da sua diocese que tudo terão feito para o remover do seu cargo. “Por tanto tumulto, embora eu esteja sofrendo muito, permito-me afirmar que conservo a minha consciência em paz. Sempre estarei disposto a corrigir rumos, a reorientar passos, a confirmar êxitos alcançados, contando com a graça de Deus e também com a efectiva presença de bons padres, religiosos presbíteros e de bons leigos e leigas, qualificados como forças vivas de nossa amada Igreja Particular da Paraíba”.

Por fim, o arcebispo admite ter concluído que a melhor forma de acção tenha sido a apresentação da sua renúncia, que foi aceite pelo Papa.

Há precisamente um mês o Papa Francisco suspendeu um bispo da ilha de Guam por suspeitas de abusos sexuais. O Papa já prometeu tolerância zero para estas situações na Igreja.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+