Tempo
|
A+ / A-

Europa não deve "desistir" do Reino Unido, diz patriarca de Lisboa

28 jun, 2016 - 14:56

Se a Europa insistir em abordar o futuro com uma perspectiva "economicista", vai pagar "caro", adverte D. Manuel Clemente à Renascença. Adriano Moreira diz que o "Brexit" pode constituir um risco à paz na Europa.

A+ / A-

Veja também:


O patriarca de Lisboa acredita que a Europa não deve desistir do Reino Unido. D. Manuel Clemente afirma à Renascença que se vai pagar "muito caro" o facto de a primeira discussão do resultado do referendo que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia ter deixado de fora vários Estados-membros, incluindo Portugal.

D. Manuel Clemente lamenta que a primeira reunião pós-Brexit tenha incluído apenas os seis membros fundadores da União Europeia, tanto do ponto de vista “cultural” como económico.

“Se for [uma decisão] económica ou, pior, economicista, acontece o que está a acontecer. Mas isso, depois, paga-se muito caro, e não com lucros”, afirma.

O patriarca sublinha que o lugar do Reino Unido deve ficar em aberto, à espera. “Temos de entrar todos no projecto europeu, não é só a Grã-Bretanha, que, por agora, quis ficar de fora. Mas o futuro está em aberto, não vamos desistir de ninguém, vamo-nos encontrar mais à frente", afirma à Renascença.

“Se me perguntassem pessoalmente, preferia que essa procura fosse feita com o Reino Unido mais dentro. Ele ficou de fora, mas o lugar está cá, à espera”, diz D. Manuel Clemente, à margem do lançamento do livro “Portugal e a Crise Global” de Adriano Moreira, esta terça-feira à tarde no ISCSP em Lisboa.

Adriano Moreira considera que a saída do Reino Unido da União Europeia pode constituir um risco à paz na Europa. Em declarações à Renascença, o especialista em relações internacionais lembra que “Inglaterra é o maior poder militar da Europa” e que o resultado do referendo “põe em perigo a coroa britânica, por causa dos movimentos separatistas”.

“A maior parte das bases da NATO estão na Escócia e, portanto, esse será um problema que vai exigir grande ponderação, se o tal movimento separatista vier a concretizar-se", acrescenta.

O professor catedrático recorreu a uma frase conhecida sua, "o imprevisto está à espera de uma oportunidade”, para definir a encruzilhada provocada pelo resultado do referendo britânico.

Adriano Moreira mostra-se também crítico sobre a forma como a Europa deixou de fora países como Portugal na discussão sobre o resultado do referendo.

"Reuniram-se os assumidos representantes seis da Europa. Eu julgo que a Europa não tem curadores. Infelizmente, o que tem neste momento é herdeiros sem benefício de inventário", afirma, acrescentando que deve haver igualdade de dignidade entre os Estados europeus quando as decisões futuras estão em causa.

"A voz de Portugal tem de estar presente em todo o processo decisório e, portanto, o seu lugar principal chama-se Conselho e, como aconteceu algumas vezes na história de Portugal, o poder da voz deve ser mais importante que a voz do poder", remata.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Fernando de Almeida
    28 jun, 2016 Porto 23:54
    Manuel Clemente nasceu cidadão portugu^es, mas ao escolher a profissão que escolheu acaba por ser um cidadão de um outro estado, isto é , do Vaticano.Eu se fosse ao senhor optava por ser cidadão do Vaticano e não corria o risco de me entrometer nos assuntos da politica portuguesa para não criar nenhum embaraço a esse estado mona'rquico, o Vaticano, que bem ou mal informado, até o tem vindo a promover na sua organização
  • Beato Nuno
    28 jun, 2016 Fátima 20:56
    Porque é que os beatos em Portugal têm que arrotahr sempre os seus bitaites? Por acaso não estamos num País laico? Irra!
  • rosinda
    28 jun, 2016 rosindaalcaide@gmail.com 18:18
    Este luis montez deve sdr o genro do senhor silva?
  • rosinda
    28 jun, 2016 palmela 17:57
    Nao sei senhor d. Manuel clemente ! O que eu sei e que acordei hoje de manha a sonhar com o deputado nuno melo ! Foi um raio dum sonho esquesito ele estava dentro dum renault 5 cinzento eu gritei olha ali o deputado nuno melo e acordei.
  • José
    28 jun, 2016 Braga 15:44
    Sem dúvida o que não nos mata, tornamos mais fortes. Mas, tenho muitas dúvidas, mas mesmo muitas, que a UE tenha apreendido a lição com o brexit. A solidariedade nunca foi o forte da UE. Pois na hora do aperto tudo olha para o seu umbigo... O capitalismo desgovernado é a nova epidemia do século...

Destaques V+