Tempo
|
A+ / A-

Emigração ​portuguesa para o Reino Unido volta a aumentar

23 jun, 2016 - 17:42 • Henrique Cunha

Estabilidade laboral e salários são os principais factores que levam os portugueses a procurar o Reino Unido.

A+ / A-

O Reino Unido é o país para onde mais portugueses emigram na actualidade. De acordo com os números mais recentes do Observatório da Emigração, em 2015, 32.302 portugueses entraram no país que esta quinta-feira decide sobre se permanece ou saí da União Europeia.

O Departamento de Trabalho e Pensões britânico contabilizou um total de 828.198 entradas de estrangeiros no último ano. Os portugueses representaram 3,9% desse total.

No início deste século, o número de entradas de portugueses no Reino Unido regista um aumento contínuo, que é mais acentuado e expressivo a partir de 2010.

Contudo, neste período em análise, há registo de duas quebras: a primeira, entre 2004 e 2006, quando emigraram menos quatro mil portugueses; e a segunda, em 2009 e 2010, semelhante à ocorrida na emigração para outros países, no contexto da crise financeira global.

Foi em 2013 que se registou um grande aumento no número de entradas, atingindo-se, nesse ano, pela primeira vez, valores superiores a 30 mil entradas

Na opinião de Pedro Góis, professor do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e um dos autores do livro “O Regresso ao Futuro - A Nova Emigração e a Sociedade Portuguesa”, os portugueses procuram o Reino Unido pela estabilidade laboral e pelos salários.

“O que explica a emigração para o Reino Unido são os salários, as oportunidades de trabalho, alguma atracção de emigrantes do sul da Europa nos últimos anos”, explica o professor, acrescentando que os enfermeiros são quem mais procura o Reino Unido.

Um dado confirmado pela bastonária da Ordem dos Enfermeiros. De acordo com Ana Rita Cavaco, nos últimos cinco anos saíram de Portugal cerca de 14 mil enfermeiros, a maioria para o Reino Unido. A bastonária garante que, por todo o mundo, são solicitados os enfermeiros portugueses, dada a sua superior formação.

Mas nem só de enfermeiros vive a emigração de portugueses para o Reino Unido. “Há pessoas a emigrar para quase todas as profissões, desde profissionais de topo até, de facto, dentistas, médicos, enfermeiros, jovens cientistas”, descreve Pedro Góis. A emigração para o Reino Unido regista-se também noutros ramos onde a mão-de-obra é menos qualificada.

”A construção civil é tradicionalmente um sector de exportação de mão-de-obra portuguesa. Depois, obviamente, a hotelaria e as limpezas são também sectores de exportação de mão-de-obra menos qualificada. Depois, há todo um conjunto de oportunidades que vão surgindo no comércio nos serviços, na hotelaria, no turismo nos bares”, esclarece.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+