Tempo
|
A+ / A-

​França também não esquece portugueses que morreram na I Guerra

11 jun, 2016 - 09:15 • Eunice Lourenço , enviada especial a Paris

Marcelo e António Costa visitam este sábado cemitério e Richebourg e monumento de homenagem ao soldado português.

A+ / A-

Depois da festa na Câmara de Paris, o primeiro-ministro e o Presidente da República continuam este sábado a celebrar o Dia de Portugal em França. De manhã, vão condecorar empresários de sucesso e a Misericórdia de Paris, mas também franceses que ajudaram a emigração portuguesa. E à tarde vão prestar homenagem aos soldados portugueses mortos na I Guerra Mundial.

Vítimas que também não foram esquecidas pelo Presidente francês, François Hollande, no discurso que fez perante os representantes da comunidade portuguesa. “Não esqueço que na I Guerra Mundial, os portugueses vieram a França, para defender o que já então representávamos, os nossos valores, os nossos princípios, a liberdade. A tal ponto que em Paris uma avenida foi baptizada como Avenida dos Portugueses para recordar o que foi o sacrifício desses soldados que vieram ajudar a França”, afirmou o Presidente francês, na cerimónia do 10 de Junho na Câmara de Paris.

A Avenida dos Portugueses está situada perto do Arco do Triunfo e, antes, chamava-se avenida de Sofia. A alteração nome foi decidida pelo município de Paris, a 14 de Julho de 1918, em homenagem aos 30 mil portugueses que combateram ao lado das forças aliadas pela libertação da França na I Guerra Mundial, como lembra uma placa ao lado do nome da avenida.

Este sábado, também o Presidente e o primeiro-ministro portugueses vão prestar homenagem aos soldados que morreram em França. Primeiro. Vão ao cemitério militar de Richebourg e depois ao monumento de homenagem ao Soldado Português, em La Couture.

Depois seguem para o centro de treinos de Portugal em França, onde jantam com a selecção nacional.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.