Tempo
|
A+ / A-

Bangladesh abre caça aos terroristas após assassinato de sacerdote hindu

07 jun, 2016 - 11:06

Autoridades do país procuram responsáveis por uma vaga de assassinatos que já fez 40 vítimas nos últimos três anos, ao mesmo tempo que acusam a Mossad de orquestrar a violência.

A+ / A-

As autoridades do Bangladesh lançaram esta terça-feira uma operação de caça ao homem, procurando membros de grupos jihadistas que operam no país e que terão sido responsáveis por mais de 40 assassinatos de activistas pró-secularização e membros de minorias religiosas.

Pelo menos dois responsáveis do movimento islâmico radical Jamayetul Mujahideen Bangladesh morreram na sequência de um tiroteio durante a operação policial, que decorreu ao mesmo tempo que o Governo anunciava que os crimes que têm assolado o país e aterrorizado activistas políticos e comunidades minoritárias são de facto orquestradas por agências de informação estrangeiras, incluindo a Mossad, de Israel.

O Bangladesh é um país oficialmente muçulmano no subcontinente indiano. Após a independência da Índia, o território fez parte do Paquistão e era conhecido como Paquistão Oriental, mas estava separado do actual Paquistão por mais de 1600 quilómetros de território indiano. Após uma dura guerra o Bangladesh ganhou independência enquanto estado secular, mas enfrentou sempre problemas com um movimento fundamentalista islâmico.

A operação policial desta manhã segue-se a mais dois assassinatos de membros de minorias religiosas. Na segunda-feira foi morto um cristão, Sunil Gomes, e esta terça-feira foi encontrado o corpo de Ananda Gopal Ganguly, um sacerdote hindu, praticamente decapitado. Em ambos os casos a morte foi causada por golpes de catana, um método semelhante ao que já foi usado por fundamentalistas muçulmanos para assassinar cerca de 40 pessoas nos últimos três anos, incluindo vários activistas pela secularização.

O ataque de segunda-feira foi reivindicado pelo Estado Islâmico. O de terça-feira ainda não foi reivindicado, mas tudo aponta para que seja também obra de fundamentalistas islâmicos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Afonso
    08 jun, 2016 Lisboa 10:54
    E sabem para quem (supostamente)está a ser planeada, e quase em execução, a mesquita nova em Lisboa?Consta-me que para a "comunidade do Bangladesh".
  • António Costa
    07 jun, 2016 Cacém 21:58
    Na luta sem tréguas que opõem os muçulmanos xiitas (Irão e Hezbollah) aos muçulmanos sunitas (Arábia Saudita, Turquia e grupos armados sunitas) Israel "alinhou" contra o Irão ao lado dos radicais sunitas, do EI. Há meses atrás, ambulâncias israelitas que transportavam guerrilheiros do Estado Islâmico foram intercetadas por drusos. Os drusos, outra minoria religiosa, tem sido vitimas do EI. No fundo é tudo uma grande "caldeirada". Tanto Israel como a Arábia Saudita são os maiores aliados dos EUA no Médio Oriente. A Turquia faz parte da NATO. Embora o Irão possa "riscar" o EI do mapa, em 5 dias, uma demonstração do seu poder levaria os EUA a levar a sério a "ameaça iraniana". E o Irão perderia tudo o que tem ganho desde a invasão do Iraque. E assim populações inteiras continuam a sofrer horrores nesta maldita "guerra morna" entre xiitas e sunitas.
  • Orapois!
    07 jun, 2016 algures 14:12
    NOJENTOS. RAÇA DIABÓLICA Assim se mata gente por ser diferente na religião. Espero que lhes caçam e lhes façam o mesmo. É uma questão de lhes respeitar o que eles são. Gente de mer-----

Destaques V+