Tempo
|
A+ / A-

Polémica

José Cid, pessoas “medonhas, feias, desdentadas” e uma polémica com seis anos de atraso

30 mai, 2016 - 16:31

Entrevista do músico em 2010 provoca polémica em 2016. Um concerto foi cancelado e o músico pediu desculpas.

A+ / A-

Um concerto cancelado, página de Facebook desactivada, muitos caracteres de revolta local (e não só) nas redes sociais. E tudo por causa de uma entrevista de José Cid feita há seis anos, mas com palavras que escandalizam em 2016: “pessoas medonhas, feias, desdentadas”, pessoas “do Portugal profundo que já deviam ter evoluído”.

Na entrevista, ao Canal Q, Cid propõe, com ironia, a criação de "uma muralha da China em Trás-os-Montes”. "Vêm excursões de pessoas que nunca viram o mar para o Pavilhão Atlântico. Pessoas assim medonhas, desdentadas e efectivamente isso não é Portugal", afirma o cantor.

Um concerto do autor de “10.000 anos depois entre Vénus e Marte” em Alfândega da Fé, agendado para 11 de Junho, foi cancelado após a polémica, avançou o "Diário de Trás-os-Montes".

“Injustamente, falei mal do público e do povo transmontano, apresento, por esta via, as minhas mais sinceras desculpas", disse José Cid, em comunicado enviado à comunicação social, em que expressa um “imenso pedido de desculpas” aos ofendidos.

"Foi um momento irreflectido, em que, admito, fui injusto com pessoas que gostam de mim, que sempre me apoiaram, ouviram e partilharam a minha música (...) Estou muito triste comigo!", pode ler-se.

O presidente da Câmara de Bragança, Hernâni Dias, expressou "profundo desagrado, repúdio e desilusão pelas lamentáveis declarações".

"Os transmontanos sempre deram o seu melhor a favor do país, aliás como reza a História, onde grandes personalidades se destacaram em todas as áreas, desde a cultura, à música, à política, ao desporto, entre outras, situação que ainda hoje se mantém", disse, citado pelo “Jornal de Notícias”.

A página de José Cid no Facebook foi desactivada. Na mesma rede social nasceu uma página e um grupo. E a revolta tomou ainda a forma de uma petição “online” que exige um pedido de desculpas e acusa Cid de "criar um estereótipo pejorativo e atentando grave e despudoradamente, contra a honra e dignidade do povo transmontano".

A Renascença tentou, sem sucesso, obter uma reacção de José Cid.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Victor Seabra
    31 mai, 2016 Tras-os-montes 21:34
    Espéro nunca te encontrar na frente nem là em tras-os montes nem aqui no estrangeiro... Desculpas 6 anos depois... por que sera? E diz ter amigos trasmontanos?!!!
  • Pedro Gonçalves
    31 mai, 2016 Almada 02:03
    Primeiro é preciso perceber as declarações de José Cid em contexto. Em segundo lugar perceber qual o contexto do próprio percurso do músico. Em terceiro é preciso relativizar, percebendo claramente que há coisas muito mais importantes do que prestar declarações ou insultos feitos há 6 anos atrás. Se começarmos a desenterrar coisas que não interessam nem deveriam ter atribuída qualquer importância, o que andamos a fazer senão perder tempo com idiotices? Viva o tempo das redes sociais, onde a idiotice vinga e próspera alegremente.
  • ARAÚJO
    30 mai, 2016 TOMAR 22:42
    Como transmontano sinto-me ofendido com as afirmações deste velho cantorzito, que sempre falou mal de tudo e de todos. Provavelmente deve passar tempo de mais no estábulo com os seus cavalos, faltando-lhe tempo para conhecer pessoas e socializar-se.
  • Isento
    30 mai, 2016 Terra prometida 22:13
    As canções e a postura deste cantor nunca me seduziram. Talvez , à uns quatro anos, quando de passagem por uma freguesia de Póvoa de Lanhoso, no decorrer de uma festividade, parei , uns minutos, para ver e ouvir as canções deste cantor. Nem o cantor nem as canções me causaram admiração. Ele auto elogiou - se dizendo que brevemente ia sair um medicamento com o nome dele... Lembrei - me de uma frase do Papa emérito Bento XXI: A verdade passa por mentira e a mentira passa por verdade. E , na continuação do meu raciocínio, interroguei - me: quanto irá levar? Dinheiro mal empregue !!! Como a música não me agradou, continuei a viagem. Mas, enfim, tal como diz o ditado, os gostos são relativos. Boa noite.
  • rosinda
    30 mai, 2016 palmela 19:49
    A dr berta eo outro hernani nao sei das quantas de braganca ! Nao deviam alimentar estas guerras quem fica a perder sao as pessoas que queriam ir ver o jose e comprar cerejas nos assim nao vamos e acabou-se politicos do caracas em vez de acalmarem as pessoas so fazem e guerra ! Nao tem sentido humor! O jose cid e uma pessoa que durante os concertos nunca se esquece de agradecer aos presidentes das cameras eu sei o que digo felizmente ainda tenho bom
  • Niko Marko
    30 mai, 2016 Picões 17:49
    Isto não é novo. Sempre houve, há e haverá gente que pensa que é o centro do mundo, denegrindo e ofendendo outros, que, julgam eles, vivem em "terras do fim do mundo". Os romanos chamavam-lhes bárbaros. Os chineses que visitaram a europa medieval ficaram horrivelmente chocados com os "porcos selvagens" que por cá encontraram. Árabes ficaram na mesma situação quando visitaram a Rússia czarista da idade média. Estes mesmos árabes tiveram oportunidade de verificar a "civilização" destes europeus no tempo das cruzadas. Estes mesmos europeus tiveram os mesmos sentimentos quando chegaram a África e ao novo mundo. Enfim, faz parte da história. A grande diferença, é que hoje, passados muitos séculos, pessoas civilizadas, e educadas podem constatar os erros de avaliação que eram feitos uns dos outros. A história é melhor compreendida e assimilada com o passar do tempo. Tentem ler um livro bem encostado aos olhos. Nada conseguem ver. Afastem o livro. Agora sim, já conseguem ler. Com a história da humanidade é a mesma coisa. O problema é que o Sr. José Cid, mantém-se estático e não consegue afastar o "livro" para melhor enxergar. Parou no tempo, não evoluiu, não se educou e não enxerga nem se enxerga. Ou é uma pessoa recalcada que diz dos outros aquilo que ele sente o na realidade é. Olhando para aquela figura, vejo um indivíduo extremamente feio, que canta coisas que eu nunca gostei de ouvir. Eu nunca vi o mar, ele por acaso já viu as quedas de Ruacaná, ou a fenda do Bimbe? Não?
  • rosinda
    30 mai, 2016 palmela 17:45
    Uma conversa com seis anos ! Se isto tem algum cabimento quem fica a perder e a dr berta eu ja tinha a minha excursao organizada assistia ao concerto e trazia cerejas para casa !
  • ze povinho
    30 mai, 2016 coina 17:13
    povo desdentado, medonho e nunca viu o mar??? um homem que se despe com corpo de pipo, usa peruca rasca e vem falar do povo transmontano?? lamenta-se que o povo transmontano não seja o seu querido do rendimento mínimo,e sim um povo de trabalho, que quando não o tem, emigra. tem vergonha nessa cara,... que é bem feita por sinal... juizo ...
  • Manuel Azevedo
    30 mai, 2016 Santo Tirso 17:05
    Valha-me Deus !Em regra geral os pobres coitados são sempre os mais feiinhos , o que parece impossível este filho da mamã ser o campeão dos feios ! A não ser que não tenha espelho..