A+ / A-

Médicos católicos perplexos com declarações sobre eutanásia nos hospitais

16 mar, 2016 - 14:16 • Ana Lisboa

Em comunicado, a associação admite que as notícias lancem a desconfiança sobre os profissionais de saúde. Médicos querem evitar que alegados “factos venham a fazer leis”.
A+ / A-

Veja também:

De que falamos quando falamos de eutanásia?

A Associação dos Médicos Católicos Portugueses manifesta “a sua preocupação e perplexidade” perante declarações sobre a prática de eutanásia nos hospitais portugueses, envolvendo médicos e enfermeiros, “numa prática encapotada de crime de homicídio”, lançando assim “a desconfiança sobre os profissionais de saúde”.

Em comunicado, a AMCP lembra que a eutanásia “atenta contra a vida das pessoas” e vai “contra a dignidade pessoal dos profissionais de saúde e a sua responsabilidade ética, cujo dever primeiro é cuidar da saúde dos doentes”.

No entender dos médicos católicos deve “ficar encerrada qualquer via para a legalização da eutanásia, mesmo sob a aparência de um acto de compaixão ou mesmo que, em relação a ela, fossem invocadas práticas clandestinas, no intuito de que os factos venham a fazer leis”.

A nota alerta para a “instrumentalização” da opinião pública e para “interesses económicos” que “prevalecem sobre as pessoas, num tempo caracterizado como ‘era do vazio’”.

A Associação congratula-se ainda com a posição assumida pela Ordem dos Médicos sobre as notícias em causa e reitera “a sua disponibilidade para colaborar na implementação e na prossecução dos verdadeiros valores da acção médica”.


guialiga19_20_banner
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fanã
    17 mar, 2016 aveiro 15:58
    Perplexo estou eu , quando não se respeita a vontade de quem mais nada espera em termos de saúde , e deseja por fim ao sofrimento pessoal e familiar !
  • Luis
    17 mar, 2016 Lisboa 11:42
    De médicos e de católicos devem ter muito pouco.