Tempo
|
A+ / A-

Maria Luís critica "aproveitamento político-partidário" da contratação por gestora de dívida

03 mar, 2016 - 16:40

O PCP já anunciou que vai levar a matéria à subcomissão parlamentar de ética, algo que o PS também defende. O Bloco de Esquerda criticou a contratação, lembrando os negócios da Arrow Global com o Banif.

A+ / A-

A deputada do PSD e ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque confirmou esta quinta-feira a sua contratação pela Arrow Global para administradora não executiva, defendendo não ter "nenhuma incompatibilidade ou impedimento legal" com actuais ou anteriores funções políticas.

"A função de administradora não executiva não tem nenhuma incompatibilidade ou impedimento legal pelo facto de ter sido ministra de Estado e das Finanças e de ser deputada. Qualquer outra leitura que possa ser feita desta nomeação só pode ser entendida como mero aproveitamento político-partidário", afirmou Maria Luís Albuquerque, em comunicado.

A ex-ministra das Finanças foi nomeada para directora não executiva do grupo Arrow Global, que tem em Portugal clientes como o Banif, o Millennium BCP ou o Montepio, com efeitos a 7 de Março e que a agora deputada vai integrar o comité de risco e auditoria.

O PCP já anunciou que vai levar a matéria à subcomissão parlamentar de ética, algo que o PS também defende. O Bloco de Esquerda criticou a contratação, lembrando os negócios da Arrow Global com o Banif.

Comunicado de Maria Luís Albuquerque na íntegra:

Face às noticias vindas hoje a público sobre a minha iminente nomeação para administradora não executiva da Arrow Global plc, esclareço o seguinte:

  1. O inicio de funções terá lugar no próximo dia 7 de Março.
  2. As funções que vou desempenhar são de natureza estritamente não executiva, isto é, sem participação nas decisões sobre negócios em concreto, em Portugal ou noutros países
  3. O objectivo da minha contratação é de aportar valor à empresa sobre matérias de enquadramento macroeconómico e regulatório ao nível europeu, sobretudo da Europa continental.
  4. Nenhuma decisão tomada pela empresa no passado foi condicionada ou influenciada por qualquer tipo de decisão que eu tenha tomado.
  5. A função de administradora não executiva não tem nenhuma incompatibilidade ou impedimento legal pelo facto de ter sido ministra de Estado e das Finanças e de ser deputada.
  6. Qualquer outra leitura que possa ser feita desta nomeação só pode ser entendida como mero aproveitamento político-partidário

Lisboa, 3 de Março de 2015

Maria Luís Albuquerque

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria da Conceição G
    08 mar, 2016 Ourém 19:00
    Embora digam que não há incompatibilidades espero que esta senhora desapareça da Assembleia da República. Devia ter vergonha que é coisa que lhe parece faltar, mas que lhe sobra em ambição.
  • maria
    05 mar, 2016 caldas da rainha 14:51
    claro que não há incompatibilidade. O PSD tem uma moral à prova de fogo !! imagine-se se fosse Sócrates em vez de maria luis....
  • Pinto
    04 mar, 2016 Custoias 12:44
    Não estranho quem quiser tacho que vá para a política. Infelizmente poucos são os políticos que têm interesse no país e nos cidadãos, a maioria faz modo de vida na política para servir de trampolim para tachos privados mais elevados,
  • Pinto
    04 mar, 2016 Custoias 12:28
    Já não é de agora, os tachos, compadrios e interesses privados falam mais alto, a política é assim mesmo, a seriedade na política à muito que acabou. Os cidadãos andam a dormir, se não ninguém aparecia a votar ou votavam todos na viragem a 360º Na política tudo tem um preço, já vi pessoas subir na vida porque usaram a política e os compadrios. A nível de vários patamares da política a corrupção está ao nível mais alto. Quando à concursos de emprego para diversos sectores do estado, muitas vezes antes da abertura dos concursos, já se sabe quem vai entrar. Os familiares e amigos estão em primeiro lugar. Normalmente quem ganha concursos para manutenções e obras públicas nas autarquias são os amigos e os que pagam luvas mais altas. Nos partidos existe uma via paralela para os amigos terem ascensão a vários patamares mais elevados, em todo o país se os cidadãos ficarem atentos verão muita boa gente a obter tachos e salários impensáveis,
  • rosinda
    04 mar, 2016 palmela 12:05
    Ao criticar catarina martins tenta desviar a atencao dos cartazes!
  • Eugénio Rodrigues
    04 mar, 2016 Funchal 11:56
    Esta albuquerque não tem um pingo de vergonha na cara. Outro Relvas.
  • JCR
    04 mar, 2016 Lisboa 01:15
    Eis o porquê dos grupos económicos, adorarem tanto o anterior (des)governo, o pior desde sempre que passou por Portugal, os favores, mais cedo ou mais tarde, pagam-se, e nem sequer interessa muito, a tremenda incompetência demonstrada durante 3 anos e tal como ministra, nada disso conta, o "inside information" é mais importante, e só a raia miúda é que está sujeita aos critérios apertados das empresas, em termos de competência, já não bastaram as suspeitas nos casos Swap, quando era administradora financeira da CP, e ter sido a pior ministra das Finanças muito menos ajudava, mas isso, é esquecido para estes grupos económicos e financeiros, cujas actividades de alto risco, trazem sempre grandes suspeitas por detrás, o que interessa mesmo, é ter nos seus quadros, mesmo após as desgraças que trouxe ao país, alguém com conhecimentos dos meandros do poder, e que como a gente sabe, sofre de 1 grande mal, obscurantismo, nada de nada nesse meio, é e alguma vez será, transparente, e como tal, é mais uma que serve como um luva, os interesses desta empresa, veja-se o antecessor, que após o brutal aumento de impostos, foi trabalhar para o FMI, e só faltava mesmo era eles ou outros tais, irem contratar o dr. que nunca foi, Miguel Relvas, este país está entregue às elites e às oligarquias há já muito tempo, mas a maior parte disso, cabe sempre a este povinho ignorante, que sendo sado-masoquista, vota sempre nos mesmos, e que são, a mando doutros, os verdadeiros donos disto tudo!
  • Pedro
    03 mar, 2016 Oleiros 21:04
    O PPD é uma vergonha.
  • obsrevação
    03 mar, 2016 Faro 20:34
    Estes comentários, só de gentinha de baixo nível... que ainda não acordaram para a realidade em que o país se vai meter mais, no fundo do poço... Palavreado obsceno de má cultura e educação... é esta liberdade que o 25 de Abril nos trouxe?? É sempre, o deita abaixo... se um diz mata, o outro esfola... onde vamos chegar com mentes tão deturpadas!?
  • Figueiredo
    03 mar, 2016 Cacia 19:26
    A vergonha continua...Os favores pagam-se.