Tempo
|
A+ / A-

Papa condena "usura" que traz "desespero" às famílias

10 fev, 2016 - 16:42 • Ecclesia

Na audiência geral desta quarta-feira, Francisco questionou a distribuição da riqueza mundial, em que “80% dos recursos estão nas mãos de menos de 20% das pessoas”.

A+ / A-

O Papa condenou esta quarta-feira no Vaticano a usura e lembrou o “desespero” que a exploração dos mais necessitados provoca.

“Quantas famílias estão na rua, vítimas da usura”, lamentou Francisco, na audiência geral, perante milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro.

Francisco recordou que a usura é considerada como “um grave pecado”, que “grita diante de Deus”. “Quantas situações de usura somos obrigados a ver e quanto sofrimento e angústia provocam nas famílias. Tantas vezes, no desespero, quantos homens acabam por suicidar-se porque não conseguem, não têm esperança, não têm a mão estendida para os ajudar, apenas a mão que vem exigir o pagamento dos juros”, acrescentou.

A catequese semanal sublinhou que o Jubileu da Misericórdia tem de chegar aos “bolsos”, respeitando a tradição bíblica de ajudar os mais pobres e de perdoar as dívidas.

“Rezemos para que neste Jubileu o Senhor tire do coração de todos nós este desejo de ter mais, da usura, que nos torne generosos”, pediu.

A intervenção recordou que o Jubileu é um tempo de “perdão geral” e questionou a distribuição da riqueza mundial, em que “80% dos recursos estão nas mãos de menos de 20% das pessoas”.

“Que cada um pense, no seu coração: se tem demasiadas coisas, por que não deixar àqueles que não têm nada 10%, 50%? Que o Espírito Santo inspire cada um de vós”, pediu Francisco.

“Se o Jubileu não chegar aos bolsos, não é um verdadeiro Jubileu"

O Papa recordou que, no Antigo Testamento, a instituição do Jubileu acontecia de 50 em 50 anos como um momento culminante da vida religiosa e social do povo de Israel.

Nesse contexto, se uma pessoa tivesse sido obrigada a vender a sua terra ou a sua casa, recuperava a sua posse no Jubileu, o mesmo acontecendo a quem tivesse sido reduzido à escravidão.

“Se o Jubileu não chegar aos bolsos, não é um verdadeiro Jubileu. Perceberam? E isto está na Bíblia, não o inventa este Papa”, insistiu Francisco.

Na instituição do Jubileu, acrescentou, havia a intenção de devolver o “necessário para viver” a quem empobrecera”.

“A mensagem bíblica é muito clara: abrir-se com coragem à partilha entre compatriotas, entre famílias, entre povos, entre continentes. Contribuir para realizar uma terra sem pobres quer dizer construir sociedades sem discriminações, assentes na solidariedade que leva a partilhar aquilo que se possui numa divisão dos recursos fundada na fraternidade e na justiça”, precisou o Papa.

Após a catequese, Francisco deixou saudações aos vários grupos de peregrinos, incluindo os portugueses.

“Saúdo os professores e os alunos das diversas comunidades escolares de Barreiro, Bragança, Coimbra e Lisboa. Sobre vós e demais peregrinos de língua portuguesa, invoco a protecção da Virgem Maria. Que Ela vos tome pela mão durante os próximos quarenta dias, ajudando-vos a ficar mais parecidos com Jesus ressuscitado. Desejo-vos uma santa e frutuosa Quaresma”, disse.

Já no final do encontro, o Papa evocou a sua próxima viagem ao México, com início na sexta-feira, antecedida nesse mesmo dia pelo inédito encontro com o “caro irmão Kirill”, patriarca ortodoxo de Moscovo. “Confio à oração de todos vós tanto o encontro com o patriarca Kirill como a viagem ao México”, concluiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Afonso
    10 fev, 2016 Lisboa 19:19
    Porque é que o sr Francisco não diz aos seus "amigos" do "velho testamento" para dividirem as riquezas acumuladas ao longo dos últimos 50 anos?(não falemos dos últimos séculos)E já agora,porque não vende o Vaticano para libertar os "escravos"?
  • Mário João Castro
    10 fev, 2016 S. Mamede de Infesta 18:20
    Querido e amado Papa Francisco!Enquanto a ganância existir camuflada de ambição, a usura e a agiotagem da banca continuará a massacrar os mais carentes e desfavorecidos e quando este desequilíbrio existe dentro das próprias famílias, qual irmão rico,irmão pobre, nada se poderá fazer a não ser assistir aos bajuladores dos poderosos, que na sua doentia idolatria consideram que a produção de riqueza é a única razão para a existência do ser humano.Que erro meu DEUS !!! Cada ser vivente deve ser,tal como tu és meu querido Papa e irmão Mário, canal de transmissão de energia pura, onde a gratidão pelo dom da Vida permite a JESUS, com a Sua Energia, compor a acção de cada ser humano no amor que coloca nos seus actos e desta forma permitir a Sua acção e renovação.Assim não fazendo, obstaculizamos pelo nosso mau uso do livre arbítrio e permitimos ao inimigo de DEUS a sua manhosa e ardilosa actuação,condenando a humanidade à escravidão material e ao desespero constante, que todos os dias assistimos nas suas mais diversas formas de manter a humanidade em sofrimento.Só a libertação material nos vai permitir ser bons e generosos com o próximo, fazendo o BEM não importando a quem!
  • Custódio
    10 fev, 2016 Lisboa 17:48
    .....Incrível ! que moral tem esta gente do vaticano para se meter onde não deve ? Preocupem-se com os pedófilos que proliferam por lá ! Tenham vergonha na cara e façam algo de bom para a Humanidade sem ser falar palavras bonitas !

Destaques V+