Tempo
|
A+ / A-

O dia em que ofereci Amália a Bowie

11 jan, 2016 - 14:17 • António Jorge, coordenador musical da Renascença

Bowie promovia o álbum “Hours” e os meus cinco minutos de fama foram usados para lhe oferecer um CD duplo da Amália Rodrigues.

A+ / A-

Veja também:


Às vezes gosto de lugares comuns, como os jardins para passear os cães ou o sofá lá de casa, e por isso cá vai mais um.

Esta é uma daquelas crónicas que não gostaria de estar a escrever. Independentemente do homem, do músico, do compositor e produtor, do actor e artista plástico, David Bowie será sempre aquela figura híbrida, elegante, irrepreensivelmente bem vestida que um dia, em Paris, tive a sorte de conhecer.

Bowie promovia o álbum “Hours” e os meus cinco minutos de fama foram usados para lhe oferecer um CD duplo da Amália Rodrigues.

Ficou surpreendido com a oferta, sorriu, agradeceu, perguntou-me o nome e disse qualquer coisa como “Amália Rodrigues de Lisboa? Claro que conheço, é fantástica. Muito obrigado”. Obrigado eu, respondi, e Deus o abençoe para nos dar muitas e boas canções.

Sorriu de novo, cruzamos as mãos e esfumou-se, a figura, a voz, a imagem. Foi a minha vez de sorrir e trazer na bagagem esta doce memória.

David Robert Jones, o homem que desde 1967 inventava novos caminhos e tendências na música, na cultura visual e na moda, deixa um legado de uma riqueza incalculável.

Na viragem do século, a conceituada revista “Time” coloca Bowie numa restrita lista das 50 personalidades mais influentes do século XX e, já em 2010, Bono Vox, dos U2, declarou: “David Bowie foi para Inglaterra e Irlanda o que Elvis foi para a América – uma completa mudança de consciência”. Chegou mesmo a dizer que, sem Bowie, o conceito “cultura pop” não existiria.

De entre a sua vastíssima discografia (ainda com tanto por descobrir), escolheria “The Rise And Fall of Ziggy Stardust and the Spiders From Mars”, de 1972, considerado unanimemente o melhor disco da década de 70. Depois, talvez “Let’s Dance”, de 1983, o álbum onde Bowie manda o rock às urtigas e abre os braços e a voz à pop e à new wave e, finalmente, “Hours”, de 1999. Um fantástico disco de canções que, independentemente da qualidade das mesmas, já faz parte da história porque foi o primeiro álbum de um cantor da chamada primeira divisão a ser distribuído gratuitamente “online”.

Por razões óbvias, “Blackstar”, o seu 25º álbum de originais, editado no passado dia 8 de Janeiro, dia do seu 69º aniversário será sempre um disco especial – porque sim e porque é David Bowie, verdadeiro galáctico, o mestre da reinvenção que tinha o condão de acertar.

Eles conheceram Bowie. As histórias dos radialistas
Eles conheceram Bowie. As histórias dos radialistas
Dez canções inesquecíveis de David Bowie
Dez canções inesquecíveis de David Bowie
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+