Tempo
|
A+ / A-

Três leigas consagradas e um padre investigados por maus-tratos a noviças

18 nov, 2015 - 17:59 • Celso Paiva Sol

A Polícia Judiciária quer saber se o suicídio de uma jovem, ocorrido há cerca de três anos, terá sido causado por um ambiente de maus-tratos instalado na instituição de Vila Nova de Famalicão.

A+ / A-

Um padre e três leigas consagradas de uma instituição de Requião, em Vila Nova de Famalicão, foram constituídos arguidos esta quarta-feira no âmbito de um inquérito que investiga alegados maus-tratos na Fraternidade Missionária Cristo Jovem, como é conhecida a instituição religiosa.

Na origem do inquérito estão as denúncias de três mulheres, com idades entre os 20 e os 30 anos, que frequentaram a instituição, mas que já a abandonaram.

Ao Ministério Público e à Policia Judiciária relataram um ambiente de grande violência física e psicológica, com situações de tratamento muito severo, trabalho excessivo e pesado, castigos, privação de alimentos, e – entre outras coisas - regras demasiado apertadas para as visitas familiares.

Os alegados abusos terão sido cometidos ao longo dos últimos anos e os responsáveis apontados pelas denúncias são quatro: o padre, responsável por este convento, e três leigas consagradas que ali residem.

A Arquidiocese de Braga revela, em comunicado, que estava desde o início de 2014 a investigar as denúncias de maus-tratos nesta instituição de Vila Nova de Famalicão.

Com este tipo de denúncias em cima da mesa, o Ministério Público decidiu, entretanto, recuperar um outro caso envolvendo uma noviça que foi encontrada morta num poço localizado no terreno do convento, há cerca de três anos, e investigá-lo agora, à luz destes novos dados.

Na altura, a causa da morte foi atribuída a suicídio. Os investigadores não duvidam que essa tenha sido a causa da morte, mas procuram agora saber até que ponto pode ter sido precipitada pelo tal ambiente de violência física e psicológica.

Na operação desta quarta-feira, a Judiciária não fez qualquer detenção, mas apreendeu diversos documentos e objectos.

A Arquidiocese de Braga está desde o início de 2014 a investigar as denúncias de maus-tratos nesta instituição de Vila Nova de Famalicão. Em comunicado, a Arquidiocese de Braga diz que, perante a denúncia, iniciou uma investigação e que nesses contactos com os residentes foi apurado que “as irmãs sempre manifestaram plena liberdade na sua estadia” naquela instituição.

[Notícia actualizada às 13h12 de 23/11/15]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mariaferreira
    20 nov, 2015 Famalicao 12:29
    ..Quem ler as mensagens das profecias de nossa senhora de lasalete , nossa senhora avisa dos falsos profetas que veem em nome de deus para enganar o povo ,que para os fim dos tempos vai haver muitos conventos e igrejas ligados ao espiritismo... Acoselho a todos a lerem as professias... Quem bate da forma que o fizeram isso nao vem de deus
  • Real filho de Abraão
    19 nov, 2015 Mesopotanea 22:38
    Eu acho que o Arcebispo de Braga deveria pedir a sua resignação ao seu grande general, o Papa Francisco. Tem dado provas que não liga nenhum à sua Arquidiocese. Alguns padres fazem o que bem lhes apetece porque sabem que o senhor capitão Ortiga só quer dinheiro, dinheiro. Também será da Opus - Dei? Julgo que sim, julgo que sim. O tempo vai se vai encarregar - se de o julgar. Boa noite.
  • antonio
    19 nov, 2015 lisboa 09:07
    Sempre com atraso na investigação. ACREDITAM mais no padre e deixam andar....O sr Bispo devia ter tido mais atenção...mas como sempre...pode ser que tudo fique escondido.....
  • Jorge Serra
    18 nov, 2015 Esposende 22:17
    É verdade, sou irmão de uma freira que morreu naquele lugar sinistro, não tenho dúvidas em relação ao ambiente estranhíssimo que se vivia naquele lugar. Até hoje sinto-me culpado por não ter feito o suficiente para denunciar a situação. Não era possível falar com a minha irmã sem ter alguém de perto a supervisionar a nossa conversa. Desde já disponibilizo-me ao advogado das noviças, para testemunhar a verdade daquilo que se passa naquele lugar em Requião.
  • Deus nos livre...
    18 nov, 2015 Lx 21:37
    Deus nos livre da maldade do Homem! Lincoln um dia disse: ..."se quiser pôr à prova o carácter de um homem, dê-lhe poder"... Estes energúmenos que, sob a "capa" da religião, ou de praxes académicas, ou de uma qualquer posição hierárquica....tratam as pessoas com menos respeito, menos dignidade, deviam ser severamente punidos.

Destaques V+