A+ / A-

Religiosa não resiste a ferimentos após acidente com velocípede em Viseu

18 nov, 2015 - 14:22

Funeral realiza-se quinta-feira, às 9h00, no Instituto Jesus, Maria, José.
A+ / A-

O acidente com uma bicicleta de 12 lugares, em Viseu, provocou uma morte. Uma das religiosas não resistiu aos ferimentos graves, levando a Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal (CIRP) a cancelar o périplo que o veículo fazia desde Agosto.

“Foi um acto de respeito pela morte da irmã que foi vítima deste acidente”, disse à Renascença o novo presidente da CIRP. A assembleia-geral da conferência decidiu unanimemente, esta terça-feira, terminar o périplo do “velocípede da vida consagrada”.

Segundo o padre José Vieira, o funeral realiza-se quinta-feira, às 9h00, no “Instituto Jesus, Maria, José” em Viseu, congregação a que a religiosa pertencia.

O velocípede de 12 lugares andava desde Agosto pelo país a visitar mosteiros de clausura e os lugares mais significativos na vida de muitos santos, para sublinhar a importância dos que dedicaram a sua vida a Deus.

Convocado pelo Papa Francisco, o Ano da Vida Consagrada começou no final de Novembro de 2014 e encerra a 2 de Fevereiro de 2016.

Um morto e quatro feridos é o balanço actualizado do acidente que ocorreu na segunda-feira, em Viseu. Segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro, citada pela agência Lusa, “a viatura dirigia-se no sentido da rotunda de Nelas para a rotunda do Palácio do Gelo e, por alguma anomalia, despistou-se”. A CIRP admitiu que que possa ter havido uma falha nos travões da bicicleta.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.