Tempo
|
A+ / A-

Pregadores querem desenvolver mais o “poder de escuta”

10 nov, 2015 - 16:12 • Paula Costa Dias

Os dominicanos lançaram, no passado fim-de-semana, o início das comemorações do jubileu que assinala os 800 anos da sua ordem.

A+ / A-

A Ordem dos Pregadores deu início, no sábado, em Fátima, às comemorações do seu jubileu, com o tema “Enviados a pregar o Evangelho”.

O jubileu comemora a publicação das bulas promulgadas pelo Papa Honório III há oito séculos, confirmando a fundação da também chamada Ordem dos Dominicanos em 1216 e 1217. Em cada país decorrem eventos diferentes consoante a realidade local e, em Portugal, as comemorações decorrem até 21 de Janeiro de 2017.

O momento é de renovação mas também de voltar às raízes, defende o frei Pedro Fernandes. Para o provincial da Ordem dos Pregadores, o evento deverá ser “uma acção de graças a Deus pelo que os dominicanos, ao longo destes 800 anos, realizaram em todo o mundo e concretamente também aqui no país”.

Por outro lado, será “uma tomada de consciência para ver se somos ou não fiéis àquilo que eles foram, isto é, fiéis ao carisma, à missão, ao espírito de São Domingos”.

A Ordem dos Pregadores foi fundada por Domingos de Gusmão, “um homem do diálogo, da escuta permanente da palavra, e um homem que quis combater as heresias, não pela espada nem pela cruz, mas sim pelo esclarecimento e pelo diálogo”, salienta frei Pedro Fernandes. E isso é o que falta hoje, diz o provincial, “termos um grande poder de escuta”, já que “há muita gente que encontramos e que diz “não tenho ninguém que me escute”.

O que significa que “quem conhece a realidade, seja num bairro, seja numa cidade, seja no campo, mais do que ter logo a preocupação de chegar lá e anunciar o Evangelho, era necessário estar lá, escutar, ouvir, e depois, através do diálogo, ser capaz de transmitir a mensagem libertadora que é a mensagem de Jesus Cristo”.

Uma renovação que implica voltar às raízes, como pede o Papa Francisco. Um desafio, diz frei Bento Domingues, porque “as pessoas gostam de ficar na sua zona de conforto, nas ideias que sempre tiveram, nas imagens que sempre tiveram da vida, das coisas que foram sempre assim”. O teólogo dominicano lembra a oração “assim como era no princípio, agora e sempre pelos séculos dos séculos” para frisar que, “o princípio era de criação e a gente fez dessa oração o contrário, a oração da mesmice, o que não dá”, reforça.

Neste processo é necessário envolver mais os leigos porque, diz frei Bento Domingues, “pela sua vida estão sempre à escuta das vozes do mundo”. São aqueles que “dizem depois às freiras aos padres que o mundo não é nada assim”.

O programa do jubileu integra diversos eventos. A 29 e 30 de Janeiro 2016 decorrerá em Aveiro a 1ª fase de umas jornadas sobre a ordem em Portugal, que se repetirão a 1 e 2 de Julho no Porto e a 11 e 12 de Novembro em Lisboa, analisando a história, a espiritualidade e as figuras que marcaram a Ordem dos Pregadores.

De 22 a 25 de Abril realizar-se-á em Pinheiro da Bemposta um Encontro Nacional da Juventude Dominicana e, a 21 de Janeiro, encerrar-se-ão as comemorações no Convento de S. Domingos, em Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+