Tempo
|
A+ / A-

Daniel Bessa. “Costa vai ter de subir impostos”

08 nov, 2015 - 14:25

“Não sei quem vai pagar e como vai pagar”, diz o antigo ministro sobre medidas acordadas com BE e PCP. “Banca está em situação complicada”, diz o ex-ministro da Economia do PS.

A+ / A-
conversas_bessa
conversas_bessa

“Daqui a dois ou três meses António Costa se estiver na posição de primeiro-ministro terá de fechar um Orçamento de Estado. E verá que não bate certo”, é a tese de Daniel Bessa com base nas propostas tornadas públicas pelo líder do PS na última sexta-feira.

“Pode puxar pela coisa: pôr a economia a crescer um pouco mais. Isso dá mais receitas. Lá vai tentando fechar a conta, mas não vai conseguir. Em algum momento vai ter de concluir que vai ter de subir alguns impostos”, diz.

“Penso que isso é incontornável”, afirma o antigo ministro da economia no Conversas Cruzadas, deste domingo.

“Vou revelar interacção com António Costa”

“Eu não sei quem vai pagar e como vai pagar”, reafirma Daniel Bessa na análise aos compromissos acordados entre o Partido Socialista e os partidos à sua esquerda que poderão permitir viabilizar um eventual governo.

“Agora vou revelar aqui o resultado de uma interacção com António Costa. Porque ele se deu a esse trabalho. No final de Julho, na minha coluninha do Expresso, tirei o chapéu a uma afirmação que António Costa tinha produzido uns dias antes onde referia que a sociedade portuguesa tem um bloqueio.”, relata.

“Um bloqueio que resulta da forma como o país não se conseguiu integrar nas novas condições da economia global. Isto foi dito por António Costa que se referiu ao país como estando bloqueado por uma incapacidade de responder às novas condições da economia mundial. Isto é uma afirmação fortíssima”, indica Daniel Bessa.

“Estou completamente de acordo e exprimi-me de forma muito favorável. António Costa deu-se ao trabalho de me explicar, teve a condescendência – que seguramente não mereço – que esse ponto era uma constante do seu pensamento e já o havia referido em vários momentos. Teve até a atenção de me enviar vários documentos onde essa afirmação estava exarada”, afirma.

“Eu quero que me diga o que agora foi dito na SIC tem a ver com o bloqueio. Porque se o país está bloqueado e a razão era aquela incapacidade de resposta eu não sei o que o negócio com o Bloco e o PCP mudou em relação a este bloqueio”, sustenta Daniel Bessa.

“É ofender alguém chamar a atenção para a questão?”, indaga.

“Há um putativo primeiro-ministro que diz que o país está bloqueado e anuncia as medidas a que se comprometeu com os seus parceiros que escolheu o para governar. Eu quero que me diga de tudo o que ouvimos o que é que tem a ver com as condições que o bloqueiam no plano da integração na economia mundial? ”,é a perplexidade manifestada pelo director geral da Cotec Portugal.

“Virão por aí uns aumentos de impostos e não sei se chegará”

“A coligação – que ainda é governo – teria imensa dificuldade em cumprir o seu programa. Aliás já recuou. O programa de governo que vai ser discutido e derrotado na Assembleia da República recua em relação a alguns compromissos orçamentais”, prossegue Bessa.

“Portanto, a coligação teria imensa dificuldade. Se a coligação teria dificuldade o Partido Socialista teria mais. O cenário macro-económico que sustenta as posições orçamentais do PS está muito salgado”.

“Não vou dizer que são “contas de chegar” mas tem ali pressupostos só feitos para dar o resultado final de 3%. Agora ao incorporar propostas do Bloco de Esquerda e do PCP está ainda em maior dificuldade. Só ó vi anunciadas medidas que reduzem receita e aumentam despesa.

“Achei interessante que António Costa tenha dito: ‘o compromisso com os meus parceiros é este’. Ou seja, eu comprometo-me com os meus parceiros a aumentar despesas e reduzir receitas e depois, fica do meu lado a obrigação de garantir a consistência destes números”.

“Sinceramente não sei como vai ser feito. Suponho que, em parte, vá sobrar para mim: virão por aí uns aumentos de impostos e não sei bem se chegará”, afirma Daniel Bessa.

“Banca em situação complicada”

Com um programa PS baseado no aumento do consumo interno e no crescimento da despesa privada e pública que poderá desequilibrar as contas com o exterior, há também incertezas à volta da desaceleração das economias de Angola e Brasil. Incontornável é também o cenário da banca portuguesa. Necessidades de aumento de capital poderão ser confirmadas dentro de dias na divulgação dos resultados dos testes de stress. Daniel Bessa diz tratar-se de uma situação “complicada”.

O ex-ministro da Economia do PS diz que “a dificuldade anunciada para a banca portuguesa é uma boa parte das instituições serem obrigadas pela Europa a aumentos de capital. Não se vê bem como é os actuais accionistas poderão fazer esse aumento”.

“A minha tese é que, depois de Chipre, não haverá mais aumentos de capital com a intervenção da banca europeia sem que os depositantes, de uma forma ou de outra, não sejam obrigados a participar nesse processo”, acrescenta.

“Leia-se: tal como aconteceu em Chipre algum tipo de transformação de depósitos em acções dos bancos. Essa é a que é a questão mais sensível. Em causa os depósitos acima de 100 mil euros, para isso existe o fundo de garantia”, relembra Daniel Bessa.

O presidente da Cotec afirma que esta questão é complicada. "Custa-me acreditar que seja possível uma intervenção pública que proteja a totalidade dos depósitos. Uma nova intervenção pública. Porque já houve”.

“Continuo a achar que é preciso uma opinião pública muito informada para se resistir a movimentos como estes que apelam basicamente ao populismo e ignorância”, adverte o ex-ministro.

“Só uma opinião pública muito informada é que consegue perceber a situação de necessidade em que o país se encontrou e que determinou as medidas que foram impostas”, sublinhou Bessa

"A situação de necessidade que não terminou e que continua a exigir extremo cuidado", finalizou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • olissipone
    10 nov, 2015 Lisboa 20:43
    A PROVA de que Bessa TEM RAZÃO está no próprio Estudo de Impacto Financeiro do Programa do PS elaborado por Mário Centeno ANTES das negociações com o BE e o PCP (cujas implicações são obviamente o aumento da despesa, embora não tenham sido ainda divulgados dados sobre o seu impacto Orçamental). http://costa2015.pt/wp-content... Se olharem para a última página, A) a Despesa total DIMINUI ao longo de 4 anos, mas fica sempre ACIMA DA RECEITA TOTAL, que TAMBÉM DIMINUI. B) prevêem diminuir as despesas com com as PRESTAÇÕES SOCIAIS, porque dizem que vão criar mais riqueza e mais emprego... mas se estimam que o emprego vai passar de 4,545 milhões para 4,844 milhões, ou seja, que vão criar 299 mil empregos, vão TER DE SER todos no sector PRIVADO, que é a única maneira de não aumentar as despesas com o PESSOAL, e devem estar a pensar em mais 299 mil pessoas a ganhar o SALÁRIO MÍNIMO e que NÃO VÃO PAGAR IMPOSTOS, que é a única maneira de NÃO AUMENTAR AS RECEITAS conforme prevêem... C) além disso, se as despesas com o PESSOAL baixam, isso só pode ser porque prevêem DESPEDIMENTOS, ou REDUÇÕES DE SALÁRIO. D) o PIB passa de 179 mil milhões em 2015 (não é certo que seja, o ano não acabou) para 213,2 MIL MILHÕES em 2019... Isto equivale a um aumento do PIB de 19% (!!!) ou sejam 34,2 MIL MILHÕES em apenas 4 anos, o que só poderia acontecer por milagre! E) e se o PIB estimado aumenta de 179 para 213,2 MIL MILHÕES, e a DÍVIDA "diminui" de 130,2% para 117,9% DO PIB, isso significa
  • agostinho almieda
    10 nov, 2015 Porto 19:20
    Pois é, caro Daniel Bessa. Só que há muita gente que chama a isso de fazer contas uma visão de contabilista (ou merceeiro). É prá frente (em nome do "estado social") e depois logo se vê. Se for preciso voltar a chamar a troika, eles piram-se. (E ainda bem, que a eles ninguém emprestaria nada). Depois regressam com as balelas do constume (e insultos ao emprestadores!). Haja paciência.
  • LOURENCO
    10 nov, 2015 LUXEMBOURG 18:24
    Não era preciso o prof. Daniel Bessa dizer, mas ao dizer-lo credibiliza ainda o que muitos de nos já sabemos...
  • Marco
    10 nov, 2015 Espinho 12:23
    Só para referir a quem NÃO SABE LER que o Daniel Bessa foi ministro .....MAS DO PS! E escreveu o que está aqui....
  • tuguinhas
    09 nov, 2015 rqtparta 15:20
    eh pá os laranjas estão todos unidos por aqui a malhar. E então quando se fala em aumentos e em funcionários públicos, cuidado, que o país vai ao fundo, os funcionários públicos ainda não foram o suficiente castigados, eles merecem mais castigo. Aumentos? Nem pensar, eles é que levaram o país à desgraça. CAMBADA DE NOJ---TOS
  • Petervlg
    09 nov, 2015 Valongo 15:00
    O Sr. Professor Daniel Bessa ainda esqueceu-se de dizer uma coisa, em menos de 2 anos a Troika esta de volta
  • Estas
    09 nov, 2015 Lx 09:33
    Sumidades e outros que por aqui comentam, até preferem que tudo corra mal para eles se regozijarem. Cambada de patrioteiros e hipocritas.
  • Zé Espanhol
    09 nov, 2015 Barrancos 02:22
    O Zé Tuga vai ter um choque com a realidade particularmente violento. Se acha que os cortes que o estado fez na despesa como forma de assegurar financiamento foram de alguma forma opcionais e fazem parte de uma grande cabala, enfim, percebe pouco ou nada do mundo financeiro e da política. Eu só espero que as pessoas demonstrem de uma forma tão passional quando começarem a chegar as contas ao governo do Costa e dos camaradas e eles se virem literalmente GREGOS para pagar. Mais uma vez, o dinheiro não tem ideologias ou partidos políticos. Há ou não. E neste caso, ainda não há suficiente para estas medidas todas de transformação de Portugal numa utopia socialista. E pronto, isto já foi visto, já foi tentado e falhou, não só em Portugal como em vários países.
  • Eborense
    09 nov, 2015 Évora 01:22
    Ó Dr. Bessa. Isso é tudo conversa sua! Vai haver muito dinheiro. Com o Dr. Costa Yong-Un vai haver dinheiro para tudo. A Banca? Essa nacionaliza-se! E Viva o governo de esquerda!
  • Guaraz Barbosa
    09 nov, 2015 Olhao 01:04
    o senhor ministro da economia do PS deve ter tido o carro bloqueado recentemente pela polícia por estar mal estacionado... se não tivesse sido multado não vinha com esse exemplo para cima da mesa. nao +e verdade sr Beça