Tempo
|
A+ / A-

Irmandade dos Clérigos ajuda refugiados do Iraque

28 out, 2015 - 17:06 • Ana Lisboa

A instituição enviou esta quarta-feira 53 mil euros para a Cáritas da Jordânia, que trabalha com refugiados do conflito iraquiano.

A+ / A-

A Irmandade dos Clérigos, através do Bispo do Porto, D. António Francisco dos Santos, enviou esta quarta-feira 53 mil euros para apoiar os refugiados iraquianos.

Depois de vários contactos, foi escolhida a Cáritas da Jordânia, porque “não queríamos perder nem verba, nem tempo em intermediários, por isso, fomos directos ao assunto”, explica o padre Américo Aguiar, presidente da Irmandade.

Além disso, foi decidido que “esta campanha se iria dirigir o mais na linha da frente possível àqueles que mais precisam”, por forma “a criar condições quase na casa das pessoas, para que elas pudessem continuar na sua terra, na sua casa, com a sua família”.

Os donativos agora entregues serão aplicados nos “custos dos alojamentos dos refugiados na Jordânia. Existem campos de refugiados, existem pessoas alojadas em vários níveis de alojamento. E o objectivo será mudar pessoas que estejam em piores condições para condições correspondentes à dignidade de cada um e às famílias de modo especial”, especifica este responsável.

O dinheiro angariado foi proveniente da venda de bilhetes de entrada na Torre dos Clérigos nos primeiros 15 dias de Setembro.

Trata-se de uma forma de partilha, explica, embora haja ocasiões em que “devemos ir além disso e partilhar daquilo que até nos faz falta a nós. Foi isso que a Irmandade dos Clérigos fez, porque abdicar de meio mês de receitas não é economicamente sustentável para uma instituição”, diz o padre Américo Aguiar. Mas, adianta, “perante os horrores que nos chegam diariamente via media, das imagens, das crianças, das famílias, do inverno, do frio, tudo isso é mais do que suficiente para nos obrigar e convidar a tomar medidas deste género”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+