Tempo
|
A+ / A-

Análise

Mudar ou manter. Duas vias em aberto na recta final do sínodo

19 out, 2015 - 09:36 • Aura Miguel , em Roma

O sínodo dos bispos entra na última semana de trabalhos. Em Roma, nos últimos dias, a discussão dos temas mais polémicos mostrou a existência de perspectivas diferentes em confronto.

A+ / A-

Os últimos dias no sínodo dos bispos foram dominados pelo debate sobre questões mais polémicas, como, por exemplo, o acesso aos sacramentos por parte de pessoas em uniões irregulares, sendo notória a existência de divergências.

Há quem esteja mais aberto à mudança, defendendo o acesso aos sacramentos para pessoas que vivem situações irregulares à luz do catecismo, e há outros que se mantêm mais conservadores nos aspectos meramente consultivos, defendendo que o sínodo nada pode mudar.

Nos trabalhos, sobretudo depois da intervenção do Papa Francisco no sábado, há latente uma questão mais profunda, que tem a ver com a estrutura da Igreja. Celebraram-se os 50 anos desta instituição sinodal e o Papa fez um discurso onde defendeu que a colegialidade episcopal ainda não estava profundamente realizada, no que diz respeito às conferências episcopais, apelando a uma salutar descentralização.

Francisco falou em vários níveis - do povo de Deus, dos bispos e depois a parte universal, dizendo que era necessário pensar numa conversão do papado.

O que é que isto quer dizer? Como é que vai ser?

Quem quer mudanças em relação a estes assuntos mais polémicos, como o acesso aos sacramentos, justifica-se com uma possível delegação nas conferências episcopais. Só que, dizem os mais conservadores, a doutrina nunca poderá mudar.

Estes últimos dias são decisivos, em que estes temas serão tratados em trabalhos de grupo e depois levados a plenário na terça-feira à tarde. Será depois votado um documento, chamado relatório final, que introduz alterações ou propostas que saem dos trabalhos de grupo.

Na agenda para os trabalhos, além das questões mais divergentes, estarão as várias facetas da realidade da família e os seus desafios hoje: a valorização do testemunho que a família deve dar no mundo e a importância determinante para a sociedade da valorização do casamento entre um homem e uma mulher.

No final dos trabalhos, haverá uma declaração, mas o que o Papa vai fazer com essa declaração ainda não se pode prever. Está tudo por descobrir nesta próxima semana.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    21 out, 2015 Viseu 12:48
    “O acesso aos sacramentos por parte de pessoas em uniões irregulares”, é um tema que interessa a algumas pessoas, que provavelmente abandonaram, injustamente, o cônjuge e os filhos, e livremente escolheram um caminho de infidelidade. Mas há muitíssimos mais católicos que não estão recasados nem divorciados, que são fiéis ao cônjuge, mas se mantêm afastados dos sacramentos! E o Sínodo devia ver o que fazer para ajudar estas pessoas.

Destaques V+