Tempo
|
A+ / A-

Bispo ortodoxo pede aos media para realçarem o positivo do sínodo

16 out, 2015 - 13:47 • Aura Miguel , em Roma, e Filipe d’Avillez

Quinta-feira à tarde e sexta-feira de manhã foram reservados às intervenções dos “delegados fraternos”, representando diferentes igrejas cristãs e dos auditores, na maioria leigos e nalguns casos casais.

A+ / A-

“Não quero ser mau, digo-o fraternalmente, mas é preciso que os média procurem o positivo e não os escândalos neste sínodo”, afirmou esta sexta-feira, perante uma sala cheia de jornalistas, o primaz da Igreja Ortodoxa da Estónia e representante do Patriarcado Ecuménico de Constantinopla.

O metropolita Stephanos foi um dos convidados desta sexta-feira para falar aos jornalistas sobre o que se tem passado no sínodo desde quinta-feira à tarde e esteve presente na sala de imprensa da Santa Sé ao lado do bispo Tim Thornton, da Igreja Anglicana.

Os dois participam no sínodo como “delegados fraternos”. Tal como os leigos e especialistas católicos, não têm direito a voto mas participam nas sessões plenárias e nos pequenos grupos, intervindo livremente.

Antes de tomarem a palavra, os porta-vozes do sínodo para diferentes línguas fizeram um resumo das intervenções feitas na quinta-feira à tarde e sexta de manhã, reservados de forma particular aos auditores leigos e aos delegados fraternos.

Nestes discursos foram abordados diversos temas, incluindo assuntos ligados à procriação e planeamento familiar, bem como a importância das crianças como protagonistas e não só objectos de atenção pastoral da Igreja.

Houve testemunhos de casais que prestam apoio a outros que passam dificuldades no seu casamento, e que admitem que essa experiência muitas vezes os fortalece, e também quem sublinhasse a importância de uma boa formação para jovens em questões como a família e a sexualidade, garantindo assim que venham a formar famílias saudáveis.

Pelo menos um auditor terá lamentado que uma grande percentagem dos pais não falem com os seus filhos sobre a beleza da sexualidade, deixando que eles aprendam tudo sobre o assunto através do ensino formal, com resultados “desastrosos”. É necessário que a Igreja preencha esta lacuna, afirmou.

Houve também quem realçasse que as famílias têm também os seus pontos negativos, levantando o drama do abuso sexual e do incesto, descrito como um “martírio silencioso”, e pelo menos um delegado, da Roménia, afirmou que “a missão da Igreja é salvar almas e que o mal, neste mundo, entra através do pecado e não da disparidade de rendimentos, nem das alterações climáticas” (temas frequentemente referidos pelo Papa Francisco).

Visões do Oriente e do Ocidente

Durante a conferência de imprensa, o arcebispo Stephanos aproveitou para falar da forma como a comunhão ortodoxa lida com questões que estão a dar muito que falar neste sínodo, como a questão dos divorciados recasados.

As Igrejas Ortodoxas permitem, em nome da “oikonomia”, ou misericórdia, um segundo casamento pela Igreja. A teologia ortodoxa insiste que acredita na indissolubilidade do casamento, mas diz que, em certos casos, reconhecendo a fraqueza humana, é necessária alguma complacência para com casos particulares. No caso de um segundo casamento a cerimónia é sempre penitencial, como recordação de que se trata de uma situação indesejada e resultante do pecado e da fraqueza.

Stephanos realçou este aspecto da “oikonomia”, dizendo que os padres sinodais estão a descobrir este conceito e que é preciso ser rigoroso quanto ao pecado, mas fazer tudo para trazer o pecador de volta para a comunhão.

Já o bispo Thornton elogiou muito o ambiente de diálogo no sínodo e a abertura de pessoas com opiniões diferentes falarem abertamente uns com os outros. Mas Thornton lamentou, também, que assuntos como os divorciados recasados e, em menor escala o acolhimento aos homossexuais, tenha ocupado tanto tempo quando várias pessoas tinham trazido para o sínodo questões e problemáticas não menos importantes, como a migração e problemas económicos nas famílias.

Dando o exemplo da sua própria diocese de Cornwall, no Reino Unido, o bispo inglês disse que lá o enfoque é em tornar todos discípulos de Cristo. “Isso é mais importante do que ser membro de um clube. Se conseguirmos que as pessoas se tornem discípulas de Cristo, então irão adaptar a sua vida, incluindo a vida familiar, a essa realidade”.

Thornton disse ainda que, tanto quanto se tem apercebido do ambiente no sínodo, não se deve esperar nenhuma grande mudança de prática no final. “Os padres sinodais estão a aprender a ser precisamente mais sinodais e isso tem sido uma revelação. Tem sido extraordinário ouvir dos outros padres sinodais o que se passa nos seus contextos”, afirmou, dizendo ainda que tem sido interessante observar como os bispos têm ganho confiança para dizer aquilo que realmente pensam sobre os assuntos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+