A+ / A-

Nem sempre quem tem mais votos governa. Conheça alguns casos na Europa

09 out, 2015 - 21:14 • Carlos Calaveiras

Em Portugal ainda se procura Executivo, as reuniões sucedem-se, mas pela Europa já se encontraram soluções que, à primeira vista, pareciam improváveis.

A+ / A-

As legislativas de domingo não deram maioria absoluta a nenhum partido ou coligação. PSD e CDS ganharam as eleições e já assinaram um acordo de Governo, mas só isso não chega para aprovarem, sozinhos, leis no Parlamento. À esquerda, PS, Bloco de Esquerda e PCP, juntos, têm maioria absoluta. Estão em conversações, mas o acordo parece improvável.

Historicamente, em Portugal governa o partido que tem mais votos, mas desta vez há quem pondere uma grande e inédita coligação de esquerda.

Esta solução “alternativa” nunca foi tentada por cá, mas é solução habitual noutros países europeus.

Por exemplo, no Luxemburgo, há um caso que até poderia ser decalcado da situação portuguesa. O Partido Democrata do actual primeiro-ministro, Xavier Bettel, ficou em terceiro lugar nas últimas legislativas.

Os resultados oficiais deram mais uma vitória ao Partido Popular Social Cristão, que obteve 33,7% dos votos e 23 deputados. Apesar disto, o Partido Socialista dos Trabalhadores do Luxemburgo (20,3%), o Partido Democrata (18,3%) e Os Verdes (10,1), entenderam-se e conseguiram uma maioria para formar Governo.

Já na Bélgica, o primeiro-ministro Charles Michel é do partido MR, que teve 9,64% dos votos, e foi o quinto mais votado nas legislativas. O N-VA ganhou com 20,36% dos votos, seguido do PS (11.67%), CD&V (10.85%), Open VLD (9.78%) e só depois o MR.

Por sua vez, na Dinamarca há muitos anos que não há governos maioritários de um só partido e o primeiro-ministro Lars Løkke Rasmussen é do terceiro partido mais votado. O Partido Liberal teve apenas 19,5% e 34 deputados em 179, numas eleições vencidas pelo Partido Social-Democrata, com 26,3% e 47 deputados.

Na Noruega governa Erna Solberg, do Partido Conservador, depois de uma vitória nas eleições do Partido Trabalhista (liderado por Jens Stoltenberg). Os conservadores tiveram nesse acto eleitoral 26,8%, contra 30,8% dos trabalhistas.

Na Letónia, Laimdota Straujuma é a primeira-ministra. Governam três partidos e nenhum ficou em primeiro nas eleições.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • antoio de almeida
    24 out, 2017 carregosa 14:50
    estava convencido que tinha sido beneficiado com a lei de 1 de outubro ultimo e afinal recebi a mesma pensão de velhice de 190. euros o que não da nem para me alimentar. tenho quase 40 anos de descontos e 67 de idade e só me pagam isto. já tenho problemas de saúde, fui vitima de trabalho infantil desde os 9,l0 anos, trabalho duro. como e que vou viver com esta pensão de velhice tao miserável ? por favor ajudem-me.
  • Antonio Franco
    21 out, 2015 Penivhe 18:14
    Será que a grande maioria dos comentadores políticos só espelha a opinião da coligação com medo de perder as suas avenças pagas pelos contribuintes. Sinto-me ofendido por estes pretensos jornalistas. Outra questão: porque não existem actualmente sondagens sobre se 62% dos portugueses querem um governo da coligação?
  • tacho furado
    12 out, 2015 roubolandia 19:49
    Este zé povinho que acredita na velha história que a direita não é mais que uns papões está muito tapadinhos, com certeza mandam os filhos à sopa dos pobres mas não tem problemas em deixarem o seu guito na taberna nos horário de trabalho. Uma ressalva para quem na realidade precisa da sopa dos pobres, mas também dizer que esta ladainha da esquerda cai sempre muito bem nos ouvidos de quem se está nas tintas para a politica. Não votam, nem se interessam pela realidade do pais mas se aparece um parolo a dizer que vai dar dinheiro às pessoas então ai que bom é isso que o meu povo quer, nem que amanhã nao haja sequer sopa. Quer ser enganado outra vez porque a sua cultura não dá para mais! Quem rouba quem? a direita tem sido a salvação do nosso pais, pagam os calotes que os governos PS deixam. Quem rouba quem? A que taxas de juro vai um governo não eleito pelo povo conseguir dinheiro para pagar a gandulos e aos amigalhaços! Olhem para a Grécia! Este barco em que o costa se está a meter serve apenas para o PS não reconhecer que já não existe, que o Costa é Socrates, é ferro, e é almeida santos! Um monte de bolor! Estes sim estão-se nas tintas para o que o povo vai sofrer! O que interessa é ter tacho, é continuar a roubar mais um pouco a controlar os interesses mafiosos de outros tempos e que o actual governo tem posto a limpo, nem que para isso tenhamos um governo não eleito governado pelo bloco. E a ignorância do povo vai ser o combustivel que vai alimentar tamanha destruição
  • Mafurra
    12 out, 2015 Lisboa 19:21
    Maria (das 17:34) - E a coligação quer o quê ? Ir ao Europeu de Futebol ? ? ?
  • José Fernandes
    12 out, 2015 Setubal 19:04
    10 dias após as eleições, ainda se anda, neste país, a discutir, quem ganhou e quem perdeu. Repara-se. houve uma coligação que teve mais votos. Então, o PR só tem uma coisa a fazer. Chamar o lider da coligação e dar-lhe 3 dias para formar governo. Ponto Final. A coligação, só tem que apresentar o seu programa no parlamento e ir a votos. Em caso de Chumbo, O PR chama a segunda força politica mais votada e este forma governo. Se o seu programa passar governa. 39 % dos Portugueses votaram PSD/CDS. 61% Votaram noutras forças politica. Escusam de Berrar e saltar e arrancar os cabelos. Esta foi a decisão dos Portugueses.. O Sr, Passos Coelho acha que ganhou? Então governe.. Não esteja é á espera que os outros apoiem a porcaria da sua politica.
  • Maria
    12 out, 2015 Aveiro 17:34
    Na minha modesta opinião o PS quer é governar, ou melhor dizendo quer é "tacho" seja à direita seja à esquerda, não olha a meios para atingir os fins. Deixem governar quem ganhou as eleições e acabem de vez com demagogias. O senhor António Costa devida ter-se demitido logo após os resultados, pois não atingiu os objectivos a que se propôs aquando o empurrão que deu ao senhor Seguro. Este ultimo que ganhou mais nas autarquias e nas europeias que o senhor Costa agora. O senhor Costa com esta atitude só mostra de que é feito. (Mais) um politico que quer é protagonismo e um poleiro para ele e os amigos dele. Primeiro devem pensar no País, depois nos "tachos". Será que o BE e o PCP lhe vão dar os milhões que ganharam com os votos dos Portugueses? Só assim se entende que o PS se junte com eles para formar um governo que os Portugueses não escolheram. Porque não se coligaram antes das eleições, que nem se podiam ver !!!!!! era um tal dizerem mal uns dos outros.!!!!!!!! tenham juízo, sejam honestos, não brinquem com o zé povinho. O senhor Costa está "desesperado" dentro e fora do partido, alguém que lhe dê a mão e lhe ensine o caminho que deve tomar: A Demissão.
  • Vera Calheiros
    12 out, 2015 Liboa 16:41
    SE em países democráticos fazem governos com 3 partidos nãp se percebe porque não se faz em Portugal ? Há entre nós complexos graves quanto à esquerda.......Temos de quebrar tabus se queremos ter um governo que governe nao só para os favorecidos por fortunas ,algumas,astronómicas ,mas também para os que nada têm e para uma classe média sem posses.A direita foi um desastre,está na altura de mudarmos para melhorarmos o estado miserável a que chegamos. Umgoverno de esquerda é o que nos está a fazer falta cm um partido Socialista e os outros partidos de esquerda.ACbem com os comlexos .
  • maria
    12 out, 2015 lx 16:37
    Só me pergunto, quando hà asneira na escolha de um partido o povinho fica à espera 4 anos até que ele saia... O problema é esse... Pois é a Dinamarca e a Bélgica são democracias avançadas cuja governação não interfere na vida dos cidadãos, ao contrário daqui... estão sempre a interferir nos bolsos de cada um, menos nos deles....
  • silva
    12 out, 2015 coimbra 09:24
    tenham vergonha e pensem nos dois milhões de portugueses que comem todos os dias na sopa dos pobres como no tempo de Salazar!!! pensem nos portugueses e não nos vossos tachos...
  • Manuel PintoCardoso
    10 out, 2015 Rio de Mel S. Pedro do Sul 11:37
    Gostaria muito que o partido socialista formace governo com a esqerda qual e o problema..

Destaques V+