Tempo
|
A+ / A-

​Campanha socialista sob pressão

21 set, 2015 - 20:53 • Crónica de Susana Madureira Martins

Direcção de campanha desespera enquanto António Costa dá tempo a todas as conversas, numa caravana que tem família, mas a que falta festa.

A+ / A-

Não há volta a dar. O efeito psicológico das sondagens está a causar mossa à caravana socialista. António Costa acusa a pressão e os sucessivos discursos são marcados pela necessidade de voto útil, de voto de protesto contra a coligação. À esquerda - PCP e Bloco - o líder socialista pede calma: o adversário não é ele, são Passos e Portas.

E a verdade é que, entrados na primeira semana oficial de campanha, parece que estamos na recta final. Nos últimos dias, a mensagem do líder socialista tem passado por repetir a ideia de esta ser uma escolha entre o "nós ou eles", radicaliza-se o tom, mas sem clima de festa, nem tom de euforia.

O receio do que pode significar o domingo de 4 de Outubro - uma maioria relativa ou uma vitória "poucochinha" - leva Costa a fazer o discurso da estabilidade: para existir essa estabilidade, o PS tem de ter mais votos e mais deputados - ou seja, vitória total.

Toda esta pressão faz com que a agenda da caravana seja carregada até ao limite: cinco, seis acções por dia, muitas vezes por pressão das estruturas partidárias locais, com Costa a dar tempo a todas as conversas; nas feiras não recusa mais uma visita a uma banca ou a uma loja, beber mais uma ginginha, comer mais um doce típico. Tudo isto faz desesperar a direcção de campanha, que vê todo o programa ser sucessivamente atrasado.

Esta também é a história de uma campanha familiar. Costa joga os trunfos todos desde a primeira hora. É seguido para todo o lado pela mulher e pelo filho e a mãe já apareceu e discursou sobre igualdade no Seixal. Tudo isto porque, diz o líder socialista, faltam quinze dias e é preciso dizer ao Governo que o dia 4 de Outubro não é um domingo qualquer, é o domingo de que os portugueses falam e esperam há quatro anos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Eborense
    22 set, 2015 Évora 12:05
    A estabilidade do PS já todos nós conhecemos. Ou este Sr. se for 1º Ministro não faz metade do que apregoa, ou então faz tudo o que diz e daqui a 2 anos estaremos a bater novamente à porta da Troika, mas desta vez será ainda mais grave. Isto, sou eu que digo, porque não acredito em milagres. Mas é bom haver muita gente que acredita. Se há tanta gente que acredita que Nossa Senhora apareceu em cima de uma oliveira em Fátima, porque não acreditar no Dr. Costa.

Destaques V+