Tempo
|
A+ / A-

Portas pede maioria absoluta contra os "ultraliberais" do PS

20 set, 2015 - 16:48

Líder do CDS preocupado com as propostas dos socialistas para a Segurança Social.

A+ / A-

O líder do CDS pede aos eleitores uma maioria absoluta para a coligação e acusa o PS de ter sido “tomado de assalto por um grupo de ultraliberais”.

Pedro Passos Coelho já tinha dito que a estratégia não muda. Ao almoço ficou provado. Na pré-campanha ou no arranque do período oficial, a narrativa é a mesma: ao ataque contra António Costa e sem largar o tema da Segurança Social.

“Os socialistas foram tomados de assalto por um grupo de ultraliberais que confundem Portugal com uma folha de Excel, não fazem a mais pequena ideia dos pensionistas de que estão a falar e, ‘pimba’, sai uma aventura de 6.000 milhões de euros na sustentabilidade necessário ao pagamento das actuais pensões e sai uma incógnita de 1.020 milhões de euros que, com toda a probabilidade afecta os mais desfavorecidos”, afirmou Paulo Portas.

O líder do CDS avisa, ainda, para o perigo da incerteza sobre as alianças à esquerda, para pedir maioria absoluta para a coligação.

Na sua intervenção, Pedro Passos Coelho não mudou o guião. Não diz o nome do adversário, mas o alvo é o mesmo.

“O grave não é o principal partido da oposição dizer que defende que haja um maior escrutínio nas prestações pagas pela solidariedade dos impostos, o mal é ter vergonha de dizer, esconder-se atrás de uma medida para não dizer quais são essas prestações, quem são as pessoas que terão menos dinheiro pago pela Segurança Social solidária caso a sua medida andasse para a frente”, afirmou o primeiro-ministro e líder do PSD.

A coligação Portugal à Frente almoçou na Malveira, no primeiro dia da campanha da coligação no distrito de Lisboa. De manhã a caravana passou por Sintra, onde não faltaram queijadas e travesseiros para adoçar a jornada.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Júlio Branco
    22 set, 2015 Amadora 22:47
    Como é que um gajo destes tem a coragem de chamar aos outros ultraliberais, tendo eles a governarem 4 anos como uns autênticos neoliberais. É preciso terem lata mas que mentirosos, nunca me enganaram, e ainda há gente que acreditam nestes profanadores de mentiras.
  • Que grande
    20 set, 2015 lis 23:41
    Hipocrita!... Mais comentarios para quê?
  • Guia de marcha
    20 set, 2015 Fnc 22:40
    Pede maioria e vai tê-la! A 4 de Outubro terá a maioria do povo a assinar a guia de marcha da coligação bem para fora do poder! Irrevogavelmente!
  • Isto é ridiculo!
    20 set, 2015 sdfr@yahoo.com 22:12
    A foto escolhida na noticia para mostrar a preocupação do irrevogavel é ridicula! Acredito tanto neles como acredito em qualquer vendedor de banha de cobra! Mas desde quando é que o "defensor" dos contribuintes e reformados está preocupado? Durante 4 anos mostrou bem qual foi a sua preocupação! ...Não brinquem com a nossa inteligencia! Este acólito e o seu chefe estão preocupados mas é com a sua subrevivencia no poder! Não nos atirem mais areia para os olhos nem instrumentalizem a favor dos coligados a campanha eleitoral! É vergonhoso e escandaloso como os media estão a faltar à imparcialidade que se impunha!
  • Quanto a ultraliberais
    20 set, 2015 port 18:41
    Este (ir)revogavel deve estar a ver-se ao espelho! É preciso uma grande latosa!

Destaques V+