Tempo
|
A+ / A-

Carta em que Darwin confessa não acreditar em Jesus vai a leilão

16 set, 2015 - 16:20

A carta de apenas uma linha permite concluir que Darwin não se considerava cristão, embora não elimine a possibilidade de ter acreditado nalguma forma de divindade.

A+ / A-

Uma carta de apenas uma frase, na qual Darwin confessa não acreditar na divindade de Jesus, vai a leilão no dia 21 de Setembro em Nova Iorque, e espera-se que renda pelo menos 62 mil euros, podendo alcançar os 90 mil.

A carta foi escrita pelo famoso cientista em 1880, apenas dois anos antes da sua morte, em resposta a uma solicitação recebida de um jovem advogado chamado McDermott: “Se me for dado o prazer de ler os seus livros, devo sentir que no final não terei perdido a minha fé no Novo Testamento. Escrevo-lhe, por isso, para lhe pedir uma resposta 'Sim' ou 'Não' para a questão: acredita no Novo Testamento?”

O jovem promete ainda que não revelará publicamente a resposta, seja qual for.

A resposta de Darwin não deixa margem para dúvidas. “Lamento ter de o informar que não acredito na Bíblia enquanto revelação divina, logo não acredito em Jesus Cristo enquanto filho de Deus”.

A fé, ou falta dela, de Charles Darwin, cuja teoria da evolução das espécies foi encarada por muitos no seu tempo como um ataque directo ao cristianismo, tem sido alvo de muitas investigações e debates. Esta carta permite concluir que pelo menos àquela data Darwin não era cristão, embora não elimine definitivamente a crença em Deus ou nalguma forma de divindade.

Esta é a razão pela qual a leiloeira Bonhams espera arrecadar muito mais dinheiro por esta carta do que por outras de Darwin que era conhecido por ser um ávido correspondente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+