Tempo
|
A+ / A-

Cada vez mais cristãos paquistaneses fogem por causa da intolerância

16 set, 2015 - 15:51 • Fundação Ajuda à Igreja que Sofre

As leis da blasfémia e a crescente influência de radicais islâmicos no país está a levar muitos cristãos a procurar asilo na Tailândia e no Sri Lanka.

A+ / A-

Milhares de cristãos têm fugido do Paquistão, nos últimos meses, por causa do clima de forte tensão e dos ataques contra a comunidade motivados pelas leis da blasfémia.

Calcula-se em mais de 10 mil os paquistaneses que procuraram refúgio só na Tailândia, havendo ainda cerca de quatro mil na Malásia e outros dois mil no Sri Lanka.

Um responsável por uma igreja evangélica, o pastor Rafaqat Sadiq da Presbyterian United Church, de Karachi, afirma que muitos cristãos, principalmente oriundos dos distritos de Dastagir, Essa Nagri, Azam Basti e Mahmiidabad, fugiram para a Tailândia onde “agora vivem em condições miseráveis” sem conseguirem obter vistos de trabalho.

Nos últimos meses, o ambiente inter-religioso agravou-se profundamente no Paquistão, com o duplo atentado contra duas igrejas católicas em Lahore, em Março, e o assassinato de dois jovens muçulmanos alegadamente em retaliação a esses ataques.

Segundo David Alton, membro do grupo parlamentar britânico para a liberdade religiosa e de crença, os centros que acolhem estes cristãos refugiados “estão sobrelotados”.

David Alton visitou recentemente alguns centros de acolhimento onde vivem os cristãos paquistaneses na capital da Tailândia, e afirmou, citado pela British Pakistani Christian Association, que quase uma centena de homens e crianças têm de “dividir a cela” em que se encontram, estando “separados das suas mulheres e filhas”, com as quais só podem estar "uma hora por semana”.

Alton denunciou ainda que este ano oito cristãos paquistaneses que pediram asilo às autoridades tailandesas morreram por falta de cuidados médicos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+