Tempo
|
A+ / A-

Papa pede orações para a viagem a Cuba e Estados Unidos

16 set, 2015 - 13:58

Deslocação será a mais longa do actual pontificado. Estará dez dias fora de Roma e tem previstas 26 intervenções, encontros com os presidentes dos dois países e uma visita à sede da ONU.

A+ / A-
Papa encara viagem a Cuba e aos EUA com "grande esperança"
Papa encara viagem a Cuba e aos EUA com "grande esperança"

O Papa Francisco pediu aos católicos que rezem pela visita que vai fazer a Cuba e aos Estados Unidos, a partir do próximo sábado.

Esta será a mais longa visita do actual pontificado e foi motivada pela realização do Encontro Mundial das Famílias, como sublinhou durante a audiência-geral desta quarta-feira, no Vaticano.

“Sábado próximo partirei em viagem apostólica a Cuba e aos Estados Unidos da América. Uma missão para a qual parto com grande esperança. O principal motivo da viagem é o oitavo Encontro Mundial das Famílias, que terá lugar em Filadélfia”, explicou.

“Irei também à sede da ONU, nos 70 anos desta instituição. Saúdo desde já com afecto o povo cubano e norte-americano que, guiados pelos seus pastores, se prepararam espiritualmente”, concluiu Francisco.

O Papa parte sábado para esta visita de 10 dias que vai prolongar-se até dia 28. Para a visita estão previstas 26 intervenções, uma delas na sede da ONU.

Francisco vai encontrar-se com os presidentes de Cuba e dos Estados Unidos e vai também visitar o “Ground Zero” em Nova Iorque, onde ocorreram os atentados terroristas do 11 de Setembro.

Já na recta final da viagem participará no Encontro Mundial das Famílias, em Filadélfia.

A visita do Papa aos dois países é especialmente simbólica, uma vez que o Vaticano desempenhou um papel importante para o restabelecimento de relações entre Washington e Havana.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+