A+ / A-

Fundos europeus ajudam a explorar fundos marinhos

06 mai, 2015 - 16:07 • Filomena Barros

Uma rede que agrega a cadeia de valor ligada à biotecnologia do mar e dos biorecursos marinhos. É o tema que trazemos hoje ao espaço Euranet, para falar da potencialidade dos fundos financeiros da União Europeia.
A+ / A-

A BLUE BIO ALLIANCE é uma rede, criada em Portugal, para apoiar negócios ligados ao mar. Trata-se de empresas portuguesas que se juntaram numa rede de conhecimento e de negócios, para aplicar a investigação académica nas empresas que já existem ou criar novos negócios.

A rede é também uma plataforma para garantir financiamento para o sector do mar e, neste ponto, prepara-se para apoiar candidaturas aos fundos financeiros nacionais e fundos do próximo quadro comunitário, o Horizonte 2020, como explicou em entrevista à Renascença Helena Vieira, directora executiva da rede.

A BLUE BIO ALLIANCE é uma rede virada para os negócios do mar e que está, nesta altura, integrada na comitiva da visita do Presidente da República, Cavaco Silva, à Noruega. Um país que representa um potencial de mercado e de parcerias para as empresas portuguesas.

Por cá, três investigadores decidiram criar uma empresa – a BIOMIMETRIX - para desenvolver um produto que se destina às tintas marítimas. “Tudo começou quando se conheceram no meio académico”, como explica Gonçalo Costa, bioquímico.

O produto que querem apresentar no mercado “tem potencial, económico e ambiental e o sector está sensibilizado”, afirma Romana Santos, que é bióloga marinha.

Esta “start up” portuguesa quer lançar-se no mercado nacional e internacional. Lá fora pensa nos Estados Unidos e Escandinávia. O projecto teve um financiamento inicial de 200 mil euros, mas precisa de mais. E encontrar parceiros financeiros, é um dos objectivos da empresa, que integra a comitiva da visita do presidente da República à Noruega, como indica Cristina Simões, CEO da BioMImEtrix. Esta empresa criada em Novembro de 2013, pretende apresentar o seu produto no mercado daqui a 2 ou 3 anos.

Já a ALLMA tem produzido toneladas de microalgas. Sofia Mendonça, bióloga e gestora de negócio, explica que há várias utilizações, entre elas a produção de cereais. A Allma tem uma equipa 100% portuguesa, e chega a dar emprego a 40 pessoas.. Criada em 2013, tem previsto produzir este ano 20 a 30 toneladas de microalgas: um pó verde que consideram um ingrediente inovador. E dsta é uma empresa que vende no mercado nacional, mas também lá fora.
Fazer parte da rede Blue Bio Alliance poderá permitir novos negócios. Essa é também a aposta da Câmara Municipal de Cascais, que apoia a rede, desde a primeira hora. A rede funciona junto da empresa municipal DNA CASCAIS, nas instalações e com os técnicos que acompanham os projectos e nomeadamente os pedidos de financiamento e o presidente da Câmara, Carlos Carreiras, acredita no potencial desta plataforma.

A prioridade desta plataforma, da rede BLUE BIO ALLIANCE, é reforçar as empresas que lá estão (por agora, 81 membros, metade deles empresas ligadas ao negócio do mar).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.