A+ / A-

De Bruxelas a Santo António dos Cavaleiros a lutar contra a exclusão

22 jul, 2015 - 14:38 • Ana Rodrigues

Hoje vamos conhecer uma instituição de inclusão social que, no concelho de Loures, tem feito a diferença na vida de centenas de crianças e jovens e que conta com o apoio de Fundos Europeus.
A+ / A-

Com o programa Portugal 2020 à vista, são muitas as instituições que apresentam candidaturas e esperam conseguir verbas para concretizar os seus projectos. Hoje vamos conhecer a associação “Eu Amo Santo António dos Cavaleiros”.

Este é um espaço que acolhe crianças e jovens de todas as idades, mas também que recebe as suas famílias, parceiras de um projecto que promove desde 2010 a inclusão social, escolar e profissional. Caso concreto é o de Miguel Prudêncio, que tem 19 anos, e inicia-se nesta instituição na Informática. Está à procura do primeiro emprego. A escola ficou a meio. Nesta associação encontrou o apoio de que precisava: aprendeu por exemplo a fazer um currículo, essencial quando se bate de porta em porta à procura de um emprego.

Já o Miguel é um dos muitos jovens que a associação apoia no concelho de Loures. O desenvolvimento de competências e valores é a base da aposta formativa. Só a área digital foram certificados 96 jovens. Nesta comunidade composta na sua maioria por imigrantes, os desafios são diários. Raquel Correia, técnica de intervenção social, refere por isso a importância de envolver a família neste projecto.

“Envolver” é a aposta do projecto “Eu Amo Santo António dos Cavaleiros”, com quase 500 participantes. Sendo que quase 400 são crianças e jovens na sua maioria descendentes de imigrantes. Com as suas raízes bem longe de Portugal, é em Loures que a comunidade reforça laços. Nomeadamente na aula de Informática, onde passam muitas horas. Entre brincadeiras e redes sociais, aprendem-se coisas muitas sérias, que vão ser essenciais no futuro destas crianças e jovens.

Nesta comunidade de maioria imigrantes, “um dos desafios é combater o abandono escolar”, refere a técnica Raquel Correia. E aqui, técnicas, professores e psicólogas criaram um espaço que converter a cidadania e o amor pela comunidade num projecto de formação e capacitação de crianças e jovens.

Este ano, a instituição volta este ano a candidatar-se ao Programa Escolhas financiado por fundos europeus. O objectivo é obter verbas para continuar a dar esperança e competências a crianças e jovens do concelho de Loures. Erica Mira é a coordenadora deste projecto suspenso nas ajudas europeias, mas com provas dadas numa comunidade de imigrantes e onde o grande desafio continua a ser a inclusão social. Estas verbas são essenciais para conseguir manter esta instituição de portas aberta, no apoio a crianças e jovens de famílias carenciadas, na sua maioria imigrantes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.