|
A+ / A-

VISTO DE BRUXELAS

Eurostat mostra “motor” a funcionar

14 nov, 2019 - 14:03 • Pedro Caeiro

​Nesta edição analisamos a “surpresa” que foi o facto de a economia da Alemanha, ao contrário do que se previa, não ter desacelerado e ter, assim, ajudado a Zona Euro a manter o ritmo de crescimento.

A+ / A-
Visto de Bruxelas (14/11/2019)
Visto de Bruxelas (14/11/2019)

Antecipava-se uma contração do PIB alemão no terceiro trimestre do ano, o que não se concretizou. A Alemanha surpreendeu pela positiva e o PIB da Zona Euro beneficiou com isso. Os dados divulgados esta quinta-feira pelo Eurostat mostram que o PIB da Zona Euro cresceu 0,2% em cadeia e 1,2% em termos homólogos no terceiro trimestre, exactamente os mesmos valores registados no segundo trimestre.

Esta é a segunda estimativa do PIB do euro que confirma os dados divulgados na primeira estimativa. No entanto, já é possível decifrar o porquê de a economia não ter desacelerado, ao contrário do esperava a maior parte dos economistas. Quem fez a diferença foi o “motor” da economia europeia, a Alemanha. Quando parecia que ia entrar em recessão técnica, tal não aconteceu. Acresce que o crescimento do PIB também estabilizou nas restantes economias com maior peso na área do euro: Espanha, França, Holanda e Itália. No caso de Portugal, a economia passou de um crescimento de 0,6% em cadeia no segundo trimestre para 0,3% no terceiro trimestre. Ainda assim, o PIB cresceu 1,9% em termos homólogos, o que está em linha com a maior parte das previsões para o crescimento anual.

Macron: NATO está em "morte cerebral"

Nesta edição analisamos as palavras do Presidente francês, que criticou o que diz ser a falta de coordenação das decisões estratégicas entre os Estados Unidos e os parceiros da NATO. Numa entrevista publicada esta quinta-feira pela revista The Economist, Macron chegou mesmo a dizer que a Aliança Atlântica está em "morte cerebral" e que a Europa está em risco. Em causa, o afastamento dos EUA e o comportamento da Turquia.

Beja chega a Bruxelas

Nesta edição, destaque para a reportagem do correspondente Vasco Gandra, que acompanhou a ida a Bruxelas do movimento cívico Beja Merece + que foi pedir mais meios, recursos e infraestruturas para a região. O grupo, que incluiu algumas personalidades conhecidas ligadas ao Baixo Alentejo, dizem que o Governo não os ouve e que a ida a Bruxelas é a última esperança para verem resolvidos os problemas. Foram a convite da eurodeputada do PSD Maria da Graça Carvalho (que é de Beja) e também estiveram com o ainda comissário Carlos Moedas (também bejense).

Este conteúdo é feito no âmbito da parceria Renascença/Euranet Plus – Rede Europeia de Rádios. Veja todos os conteúdos Renascença/Euranet Plus

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.