A+ / A-
Agricultores

“As cabras sapadoras são um show off político”

25 jul, 2019 - 10:00 • Liliana Carona

O Governo anunciou, no ano passado, rebanhos dedicados à gestão do combustível florestal.

A+ / A-

Há agricultores e pastores que se queixam da libertação sem controlo de cabras selvagens, no distrito de Coimbra. O Governo avançou no ano passado com o projeto-piloto das "cabras sapadoras" com rebanhos destinados à gestão de combustível florestal, mas no terreno há quem diga que a medida não passou de “show off político”.

O pastor Paulo Rogério, 46 anos, de Oliveira do Hospital, e presidente da assembleia da Associação Nacional de Criadores de Ovinos da Serra da Estrela (Ancose), afirma que a ideia afinal não foi tão boa ideia.

“Aqui em Oliveira não tenho conhecimento da existência desses rebanhos, mas em Arganil, tenho ouvido queixas. A cabra sapadora não resulta, insiste o pastor que dá outra sugestão. “A limpeza tem que ser feita à mão, pelo povo, pelos contribuintes e por aqueles que vivem do que os contribuintes descontam”.

Mas porque não funciona a ideia do Governo? “Não resulta porque para a cabra desbastar o mato tem que andar com a fome. Se nós tivermos um bom prato de comida vamos ao melhor prato, ou seja, elas vão às culturas. Para ser rentável não podem andar de qualquer maneira. Para mim é mais um ‘show off’ político desses senhores que estão lá sentados nas cadeiras. Venham primeiro ao terreno falar com quem sabe”, lança em tom de desafio.

As vedações, diz o pastor, não são suficientes e nas zonas de minifúndio em terreno inclinado, há quem perca de vista as cabras. “Ou é muita gente para tomar conta delas ou perdem-se. É preciso ter cuidado para as controlar, algumas nunca aparecem, morrem por lá. Não regressam ao ovil”, acautela Paulo Rogério, deixando um alerta: “As árvores queimadas não foram cortadas, e serão material lenhoso para futuros incêndios, e não é com cabras sapadoras que se resolve”.

Este agricultor perdeu nos incêndios de 2017 mais de uma centena de cabeças de gado. Atualmente, tem 280 ovelhas e há poucos dias recebeu 12 borregas do Ministério da Agricultura. “Esta é uma ajuda tardia para refazer a vida… nem daqui a quatro anos. Se nos isentassem do pagamento da Segurança Social, já era uma ajuda”, conclui.

Outras duas opiniões contra as “cabras sapadoras” erguem-se em Arganil. “Esse é outro problema, comem tudo, aqui as videiras comeram-nas todas”; disse à Renascença Luís Lopes, 62 anos.

Também Rui Manuel, 57 anos, torce o nariz à ideia. “Elas andam a assapar as terras, são cabras do mato, mas o governo chama-as de sapadoras”, critica.

Opinião diferente tem o pastor Luís Fontinha, 40 anos, que afirma que “no distrito de Coimbra há um único rebanho de cabras sapadoras, rebanhos da serra do Acor-Rabadão, e garante que não há cabras nenhumas a solta. "O que há é os locais chamarem aos corços e veados fêmeas, cabras do mato."

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.