A+ / A-

Incêndios. "Quem ganha com isto", questiona bispo da Guarda

23 jul, 2019 - 12:00 • Redação

D. Manuel Felício denunciou ainda “o esquecimento do interior” por parte “das autoridades”.

A+ / A-

O bispo da Guarda questiona a eficência da Proteção Civil em matéria de combate às chamas e "quem ganha" com os incêndios florestais, perante os incêndios que voltaram a assolar o centro do país.

“Não sei o que fazem a proteção civil e os nossos meios, mas porque é que isto acontece. Havendo mão criminosa porque é que não há coragem de ir ao fundo das questões?”, disse D. Manuel Felício durante uma peregrinação à Terra Santa com meia centena de catequistas da diocese, citado pelo site do Secretariado Nacional de Educação Cristã.

“Por este andar tudo se destrói e para bem que quem? Deixo a questão. Quem ganha com isto? Doí-me ver as pessoas a sofrer, é tremendo”, acrescentou.

O bispo denunciou ainda “o esquecimento do interior” por parte “das autoridades”. “Fala-se muito, apresentam-se propostas feitas, mas quando se trata de passar da teoria à prática nada acontece. Abordam-se medidas de discriminação positiva para com as populações do interior, mas nada passa do papel. Acaba sempre por se investir em medidas eleitoralistas”, explicitou.

D. Manuel Felício recordou que a “Cáritas diocesana da Guarda continua a apoiar a reconstrução das casas na região onde de perderam cinco vidas”, lamentou.

Desde sábado que as chamas não dão tréguas aos bombeiros em Vila de Rei e que afetam também Mação. No balanço da manhã, o Comandante Operacional de Agrupamento Distrital do Centro Sul (CADIS) disse que 90% do fogo estava em resolução.

De acordo com o balanço do INEM, até ao momento foram assistidas 39 pessoas, das quais 16 foram encaminhadas para unidades de saúde. Do total de feridos, apenas dois são civis.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.