A+ / A-

Os grandes desafios de Boris Johnson

23 jul, 2019 - 12:10 • Filipe d'Avillez

Antes de lidar com o Brexit, remendar as relações com os Estados Unidos e escolher a abordagem a ter com o Irão e a China, Boris Johnson tem de mostrar que consegue sequer governar o seu próprio país.
A+ / A-

Veja também:


Agora que foi eleito líder do Partido Conservador, assumindo assim automaticamente o cargo de primeiro-ministro, Boris Johnson enfrenta vários desafios.

Governo

Antes de se preocupar com o Brexit, Johnson tem de mostrar que consegue governar internamente e conseguir os votos no Parlamento necessários para fazer aprovar as suas medidas.

Esta tarefa pode ser mais difícil do que parece à primeira vista. Johnson não escolheu os deputados conservadores que formam a maioria no Parlamento e estes, que já com Theresa May se mostraram tudo menos dispostos a colaborar cegamente com o líder do partido, poderão não estar dispostos a seguir as ordens do novo líder.

Supostamente, a próxima eleição é só em 2022 mas o Partido Conservador não tem maioria absoluta e Boris Johnson, ainda mais pelo forma como assumiu o cargo de primeiro-ministro, poderá enfrentar moções de censura logo ao tomar posse, pondo em risco o seu governo e levando à convocação de eleições antecipadas.

Mostrar-se capaz de controlar um Governo e um parlamento que não escolheu é, por isso, a sua primeira grande prioridade.

Brexit

A primeira prioridade do novo Governo britânico será tentar negociar um novo acordo com a União Europeia. Caso não consiga – e os sinais da UE são de pouca flexibilidade – corre o risco de ter de enfrentar uma saída sem acordo.

Alguns deputados conservadores já disseram que estão dispostos a votar favoravelmente a uma moção de censura caso o cenário seja de um Brexit sem acordo, o que mais uma vez poderá levar à convocação de eleições antecipadas.

A grande questão nas negociações é o já famoso “backstop”, sobre o estatuto da fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda. Boris Johnson quer eliminar essa parte do acordo mas a União Europeia tem recusado essa possibilidade.

Trump e Estados Unidos

Um dos grandes trunfos de Boris Johnson é que tem uma excelente relação com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Trump tem elogiado Johnson publicamente várias vezes e isso poderá facilitar as negociações com a América, o que será necessário num cenário de Brexit.

O primeiro desafio neste campo será de emendar as relações diplomáticas, que recentemente sofreram um revés, quando o embaixador britânico em Washington viu serem publicados documentos classificados em que criticava o Presidente americano. O embaixador demitiu-se no seguimento do escândalo.

Irão e China

No campo das Relações Internacionais Boris Johnson terá de lidar com a batata quente que são as relações com o Irão, que estão em ponto de fervura e com possibilidade de conflito armado em vista.

Os Estados Unidos têm alinhado na retórica bélica, enquanto os países europeus parecem apostados em desanuviar o ambiente e tentar evitar a guerra. O novo primeiro-ministro britânico terá de escolher com quem quer alinhar.

As relações com a China também são difíceis, mas apenas no plano económico e tecnológico. O conflito entre os Estados Unidos e a China sobre o papel da Huawei também pode sobrar para o novo primeiro-ministro, que terá de decidir que papel a empresa chinesa desempenha na estrutura das comunicações britânicas.

O problema é que, saindo da União Europeia, o Reino Unido quer fortalecer as relações comerciais com a China, pelo que este é um território muito difícil para o Boris Johnson.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.