|
A+ / A-

Associação de Sargentos diz que o Governo "não pode escamotear o estado das Forças Armadas"

22 jul, 2019 - 18:36 • Ana Rodrigues , com Redação

O presidente da ANS, o sargento-mor Lima Coelho, refere igualmente à Renascença que a desvalorização que o ministro da Defesa Gomes Cravinho fez da situalão "é triste".

A+ / A-

O ministro da Defesa está a desvalorizar a difícil situação das Forças Armadas e isso é “triste”. A acusação é do presidente da Associação Nacional de Sargentos (ANS).

Na sequência dos comentários de João Gomes Cravinho à entrevista do Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas à Renascença, Lima Coelho lamenta a atitude do ministro da Defesa. Refere que é “uma leitura triste e que é preocupante a tentativa de jogo político-partidário usando as Forças Armadas para o efeito”.

O presidente da ANS diz que “a desvalorização que agora o ministro da Defesa fez ao problema da falta de efetivos, tem vindo a ser feita pelos sucessivos governos e isso é inaceitável”. Lima Coelho diz à Renascença que o retrato feito pelo almirante Silva Ribeiro, em entrevista ao programa Hora da Verdade , “é verdadeiro e dramático e não pode continuar a ser desvalorizado pelo poder politico”.

Prova disso, refere o sargento-mor, “são os sinais já visíveis no terreno”. “Quando as guarnições de um navio andam a saltar de navio em navio por falta de efetivos, sem tempo de desembarque normais e naturais para descanso e apoio às famílias, este é um dos sinais”, explica.

Os exemplos são muitos e transversais aos três ramos das Forças Armadas, diz o representante dos sargentos, acrescentando que “quando temos numa parada de um regimento uma companhia de instrução com 17 ou 18 praças, isto dá bem ideia das carências de que estamos a falar”.

Outra das situações reveladoras do défice de efetivos nas Forças Armadas é o que se está a passar na Força Aérea portuguesa, onde “num hangar de manutenção vemos que a maior parte dos técnicos de manutenção que estão a preparar uma aeronave são sargentos, por falta de praças”.

Por tudo isto, refere o presidente da Associação Nacional de Sargentos, “o Governo não pode escamotear o estado em que se encontram as Forças Armadas, nem minimizar o problema”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ze
    22 jul, 2019 aldeia 20:10
    O ministro esteve mal,mostrou não estar a par das forças armadas,o Presidente Marcelo esteve bem,tanto diplomaticamente como politicamente.