A+ / A-

Boris Johnson queria ser “Rei do Mundo”, mas vai ter de se contentar com primeiro-ministro

23 jul, 2019 - 12:06 • Filipe d'Avillez

Conheça a história de vida de um homem que sempre fez tudo para chegar ao poder e que só por acaso não é conhecido por Alexander Kemal.
A+ / A-

Veja também:


A vida de Boris Johnson dava um filme. Um filme que seria ao mesmo tempo trágico, cómico e recheado de intrigas, mentiras, infidelidades e uma constante e insaciável busca pelo poder.

Para começar, o homem que vai ser o próximo primeiro-ministro do Reino Unido podia perfeitamente ser conhecido como Alexander Kemal. O seu nome completo é Alexander Boris de Pfeffel Johnson, sendo que De Pfeffel chega-lhe através de uma avó que descendia de um barão alemão.

Mas talvez a história mais curiosa seja a do apelido Johnson, que apenas surgiu na geração do seu avô, que nasceu Osman Wilfred Kemal, filho de uma inglesa e de um jornalista e político turco, que foi assassinado por nacionalistas turcos em 1920 depois de ter criticado e desvalorizado o jovem Ataturk. Osman Wilfred, cuja mãe morreu no parto, foi levado para Inglaterra pela avó materna, inglesa, que mudou oficialmente o seu apelido para Johnson, numa altura em que o Reino Unido e a Turquia estavam em guerra.

Pode parecer uma mera curiosidade, mas pode também ser mais que isso. É que segundo artigos na imprensa inglesa, que citam pessoas próximas e as duas biografias do político, Johnson começou a ser gozado pela sua ascendência turca quando ingressou no colégio interno de Eton, antes sequer de ser adolescente.

A ida para o colégio é a parte trágica da história. O seu pai Stanley viajava muito, levando a mulher Charlotte e os quatro filhos a mudar de casa 32 vezes em apenas 14 anos. Stanley estava pouco em casa, mas quando estava incutia nos filhos um espírito de competitividade feroz, levando um jovem Alexander Boris, ainda hoje conhecido na família como Al, a dizer que queria ser “Rei do Mundo” quando fosse mais velho.

Perante a instabilidade familiar o porto seguro dos irmãos Johnson era a mãe Charlotte. Mas esse porto seguro desapareceu subitamente quando a mãe sofreu um esgotamento e teve de regressar a Inglaterra para ser internada num hospital psiquiátrico. Com apenas 11 anos, Al foi enviado para um colégio interno. É aí que, segundo as biografias, o gozo a que foi sujeito levou-o a adotar uma personalidade exageradamente britânica e caricaturalmente aristocrática, desde a roupa até à postura e modo de falar, e a mudar o nome pelo qual era conhecido de Al para Boris.

É este Boris que ingressa em Oxford, onde se dedicou mais a festas e política do que aos estudos e é com esta personalidade reforçada que sai diretamente da faculdade para um cargo no prestigiado “The Times”.

Jornalismo imaginativo

Profundamente ambicioso, Boris fartou-se das missões que lhe eram dadas pelos editores, que confiavam pouco nele. Quando apresentou um artigo com uma citação explosiva tinha a esperança de poder lançar a sua carreira, mas tudo desmoronou quando o alegado autor da citação, seu padrinho, ligou ao editor a refilar, pois não tinha dito nada do género nem tinha sido contactado nesse sentido. Boris foi imediatamente despedido.

Gafes, escândalos e excentricidade. Quem é Boris Johnson?
Gafes, escândalos e excentricidade. Quem é Boris Johnson?

Conseguiu, porém, um cargo no “Daily Telegraph” e passou uma mão cheia de anos em Bruxelas como correspondente, dedicando-se a descrever o trabalho da União Europeia sempre da forma mais negativa possível, como um constante ataque à soberania do Reino Unido, orquestrado por burocratas internacionais. Em breve seria o editor do “Spectator”, ainda hoje uma importante revista conservadora e daí deu o salto para a política, sendo eleito para o Parlamento pelo Partido Conservador, um cargo que decidiu acumular com o de editor do “Spectator” durante quatro anos, não obstante ter prometido durante a campanha eleitoral que largaria o jornalismo.

Mas a primeira passagem pela alta política britânica não foi um grande sucesso. Questionado pelos dirigentes do partido sobre o alegado caso amoroso que estaria a ter com uma colunista, Johnson negou tudo. Quando o romance foi finalmente confirmado, os dirigentes do partido correram com ele.

A carreira política do loiro extravagante parecia acabada e mais ainda quando o partido passou a ser liderado por David Cameron, que conhecia Boris de Eton e de Oxford mas que nem assim o convidou a integrar o seu Governo. Contudo, pouco depois Boris foi proposto como candidato do Partido Conservador à Câmara de Londres, considerada quase impossível de vencer. Agarrando a oportunidade, Johnson não só ganhou a eleição como ainda se manteve durante dois mandatos no cargo, numa altura em que a capital recebeu os Jogos Olímpicos.

O momento de Boris

Relançado, e consciente agora do facto de que ser “Rei do Mundo” estava fora do seu alcance, Johnson começou a colocar os olhos no cargo de primeiro-ministro. Para o fazer, contudo, era necessário destronar Cameron. Quando o ex-líder prometeu um referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia – decisão de que ainda hoje se deve arrepender – Johnson colocou-se firmemente no campo oposto de Cameron, o que neste caso era o campo do Brexit. Tornou-se um dos mais populares defensores desta causa e viu a aposta ganha em todos os sentidos com a surpreendente vitória nas urnas e consequente demissão de Cameron.

Parecia chegado o seu tempo, mas ainda teria de esperar. Michael Gove, outro grande nome do Brexit, anulou as suas hipóteses de suceder a Cameron quando disse publicamente que Johnson não era o homem certo para guiar o Reino Unido no complexo processo de desvinculação, chegando mesmo a sugerir que a sua antipatia por Bruxelas não era genuína, mas uma manobra política.

Foi assim que Theresa May veio a ocupar o lugar, mas apesar da antipatia existente entre os dois ainda convidou Johnson a ocupar o Ministério dos Negócios Estrangeiros, um cargo no qual Boris pôde dar a conhecer já não só ao Reino Unido mas a todo o mundo, a sua personalidade, colecionando uma série de gaffes, algumas inofensivas – como a afirmação de que James Bond teria nascido no Estoril – e outras mais graves, como a que conduziu ao agravamento da pena da jornalista Nazanin Zaghari-Ratcliffe, no Irão.

Infelizmente para Theresa May, felizmente para Johnson, a primeira-ministra acabou por sucumbir perante a sua incapacidade de fazer aprovar um acordo para o Brexit, algo que Boris, enquanto membro do seu Governo, nada fez para auxiliar e apresentou a sua demissão, deixando o caminho aberto para que mais uma potência mundial seja liderada por um homem ambicioso mas de passado, caráter e estilo capilar dúbio.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.