|
A+ / A-

Frentes de fogo em Vila de Rei e Mação 90% dominadas

22 jul, 2019 - 08:06 • Redação

Comandante da Proteção Civil, que deixou uma palavra de alento aos operacionais, prevê um dia difícil.

A+ / A-
Pelo menos 30 feridos nos incêndios de Castelo Branco e Santarém
Pelo menos 30 feridos nos incêndios de Castelo Branco e Santarém

"O fogo está estabilizado", informou esta manhã o Comando da Proteção Civil durante briefing, na Sertã, sobre o desenvolvimento das chamas.

"As frentes de Vila de Rei e a de mação estão 90% dominados. Apenas 10% ainda têm chama ativa", revelou o comandante do Agrupamento Distrital do Centro Norte, Pedro Nunes, sublinhando que durante a noite foi "feito um esforço concertado".

Os trabalhos continuam depois de "um esforço muito grande de todos os operacionais e efetivos", relatou este responsável, que deixou ainda uma palavra de alento a todos os bombeiros.

A área ainda afetada pelo fogo não contém "frentes muito extensas, nem de grande dimensão". São, antes, "pontos quentes, com chamas numa altura de 20, 30 metros, em zonas de muito difícil acesso, onde as máquinas não chegam e onde só é possível chegar sem grandes pressões de água e outras ferramentas", explicou.

Neste momento o fogo "desenvolve-se de forma branda" e "não há casas em risco", mas existe um "plano B" caso se registe de novo uma situação como a ocorrida no domingo à tarde com a direção e a intensidade do vento.

Vento pode dificultar combate

"Diria que vamos ter um dia difícil pela frente", afirmou o mesmo responsável, explicando que o mais importante é fechar o perímetro com as máquinas de rasto para prevenir reativações, pois estão previstas rajadas de vento de 35 quilómetros por hora, o que poderá dificultar o trabalho dos bombeiros durante esta tarde.

Ao longo do dia o combate vai ter "dois tempos", o da manhã, com vento de leste fraco e a preocupação colocada no "flanco direito" das duas frentes de fogo, uma no concelho de Vila de Rei e outra no de Mação.
Para a tarde, a previsão de rajadas de noroeste colocará a atenção no flanco esquerdo, em particular nas localidades de Chaveira, Chaveirinha e Casais de São Bento (Mação) e Vergão (Proença a Nova), onde vão ser posicionados meios da GNR e da Segurança Social, para o caso de vir a ser necessário proceder à sua evacuação.
"Há 31 feridos, 21 assistidos e 10 leves", continuou o comandante, avançando aos jornalistas que "para já não há registo de desalojados".

O comandante revelou que os operacionais têm estado a ser refrescados e que vão agora contar com meios aéreos.

Pedro Nunes afirmou que durante a manhã chegarão ao terreno quatro pelotões das Forças Armadas para operações de rescaldo, estando, desde domingo, quatro máquinas de rasto do Exército nas frentes de Vila de Rei e de Mação, a trabalhar nas zonas que já não têm fogo ativo, para criar aceiros visando diminuir as possibilidades de reacendimentos.

Cerca das 7h30, encontravam-se no local cerca de 1.000 operacionais e 318 viaturas de apoio.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.