A+ / A-

Universidades públicas reclamam 10 milhões para compensar redução de propinas

22 jul, 2019 - 07:55 • Redação

Valor compensatório está relacionado com a redução das proprinas em 200 euros por aluno.
A+ / A-

Os reitores das universidades portuguesas reclamam do Governo o pagamento de 10 milhões de euros até ao final do ano.

O valor destina-se à compensação relacionada com a redução do valor das propinas, que no próximo ano vão ter uma diminuição de 200 euros por aluno. Na globalidade do ano letivo, o valor em causa será de 50 milhões de euros.

À Renascença, o reitor da Universidade de Lisboa lamenta que as universidades, “ao contrário do que já disseram alguns dirigentes do Bloco de Esquerda” ainda não tenham recebido nenhuma compensação.

António Cruz Serra alerta que alguns estabelecimentos de ensino estão “preocupadas e nervosos com a situação” e apela a que as transferências sejam feitas o mais depressa possível para se “evitar uma gestão em sobressalto da universidade pública”.

O teto máximo para as propinas no Ensino Superior público vai fixar-se nos 856 euros no ano letivo de 2019/2020. A informação foi avançada pela deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua, durante uma conferência de imprensa sobre o processo de negociações do Orçamento do Estado.

De acordo com a deputada, o OE prevê que o valor máximo da propina no Ensino Superior ficará nos "dois IAS", ou seja, ao dobro do valor do Indexante dos Apoios Sociais - que neste momento é de 428,9 euros.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.