A+ / A-
Algarve

Incêndio de Aljezur entra em fase de resolução

19 jul, 2019 - 17:19 • Redação com Lusa

As chamas deflagraram pelas 15h30 desta sexta-feira. No terreno estão ainda cerca de 200 bombeiros e 66 viaturas.

A+ / A-

O incêndio que deflagrou esta sexta-feira à tarde no concelho de Aljezur, e que obrigou a retirar várias pessoas de casa, está em fase de resolução, indicava pelas 21h40 o site da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

As chamas deflagraram pelas 15h30. No terreno estão ainda cerca de 200 bombeiros e 66 viaturas.

Um incêndio consumiu uma zona de mato no concelho algarvio de Aljezur, que chegou a lavrar com intensidade “perto de alguns pontos sensíveis”, nomeadamente edificações dispersas, disse fonte da Proteção Civil.

Seis pessoas foram retiradas das suas habitações no Monte Clérigo, concelho de Aljezur, "por causa do intenso fumo" provocado por um incêndio, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.

De acordo com o segundo comandante operacional distrital de Faro da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), Abel Gomes, as seis pessoas foram retiradas de três habitações como medida preventiva, "para evitar que fossem afetadas pelo intenso fumo".

Cerca de 30 autocaravanas de turistas deixaram a zona do incêndio através da estrada em Aljezur e Lagos, apurou a Renascença.

À Renascença, o segundo comandante distrital da Proteção Civil de Faro, Abel Gomes, revelou, pelas 18h00, que havia três frentes: uma delas está a ceder ao combate, outra arde "com muita intensidade" e numa terceira não há "capacidade de combate" - os operacionais não se conseguem sequer "aproximar".

Segundo o site da Proteção Civil, às 18h15 estavam mobilizados, no combate ao incêndio, 211 operacionais, apoiados por 61 veículos e oito meios aéreos.

A combater as chamas estão bombeiros de Aljezur, Loulé, Vila do Bispo, Albufeira, Carnaxide, Amadora e Algés.

À Lusa, Abel Gomes já tinha avançado que o alerta para o fogo foi recebido pelas 15h27, tendo sido destacados para o local vários meios para um “combate inicial musculado”. A zona é de "eucaliptal, pinhal e mato".

Segundo o mesmo responsável, o vento que se faz sentir na zona está a dificultar o combate às chamas.

[notícia atualizada às 21h50]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.