A+ / A-
Greve dos camionistas

Governo prepara rede de abastecimento de emergência de combustíveis

18 jul, 2019 - 09:00

A paralisação de abril deixou sem combustível grande parte dos postos de abastecimento do país.A elevada adesão à greve de três dias surpreendeu todos, incluindo o próprio sindicato.
A+ / A-

O secretário de Estado da Energia diz que está a ser preparada "uma rede de abastecimento de emergência" de combustíveis caso a greve dos camionistas a 12 de agosto aconteça e não sejam cumpridos os serviços mínimos.

"Se a greve efetivamente acontecer, vamos criar as condições para, se necessário, montar um sistema logístico alternativo de distribuição de combustíveis, no caso de não haver o cumprimento de serviços mínimos", anunciou João Galamba numa entrevista ao Dinheiro Vivo e à rádio TSF, que será divulgada na íntegra no sábado.

O secretário de Estado refere que "o Governo está preparado para o que vier a acontecer" na eventualidade de uma greve geral de camionistas no dia 12 de agosto, acrescentando que está já a ser preparada "uma rede de abastecimento de emergência" com um mês de antecedência.

João Galamba disse também que o Governo está a trabalhar na definição de serviços mínimos.

"Se acontecer algo semelhante ao que aconteceu na última greve teremos no terreno um dispositivo que identifica os abastecimentos prioritários, os postos que têm de ser abastecidos, os circuitos que abastecem esses postos, bem como depois a necessidade de motoristas que garantam esses abastecimentos. Iremos definir os serviços mínimos e esperamos que sejam cumpridos, mas se não forem temos medidas alternativas", sublinhou.

Como vai ser no Algarve?

O governante adianta que "já está também preparada uma 'task force' especial da Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE), com procedimentos internos por parte da sua própria rede de emergência de postos de abastecimento (REPA), que depois se articula com as forças de segurança para a operacionalização da rede alternativa".

"Haverá um acompanhamento muito próximo de vários membros do governo, das áreas da Energia, Transportes, Administração Interna, como na greve anterior", salientou.

Questionado sobre como vai ser no Algarve, onde muitos portugueses vão estar a passar férias e onde o gás natural não chega por gasoduto, João Galamba disse que estão a ser criadas condições. "Há locais de abastecimento de gás no Algarve que são prioritários e estão incluídos na rede de emergência que referi. Mesmo num cenário de greve e quebra dos serviços mínimos, esse abastecimento e os consumos na região estão garantidos", indicou.

Os sindicatos representativos dos camionistas não chegaram a acordo com a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) e entregaram um pré-aviso de greve, com início em 12 de agosto, após uma reunião de quase cinco horas, sob a mediação do Ministério do Trabalho.

Na greve iniciada em 15 de abril, o Governo estipulou a garantia dos serviços mínimos com 40% dos trabalhadores em funções, mas apenas para Lisboa e Porto. Posteriormente, o executivo acabou por decretar uma requisição civil e, depois, a convidar as partes a sentarem-se à mesa de negociações.

A elevada adesão à greve de três dias surpreendeu todos, incluindo o próprio sindicato, e deixou sem combustível grande parte dos postos de abastecimento do país.



guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    18 jul, 2019 Lisboa 09:42
    E se forem cumpridos os serviços mínimos? Esse dito dispositivo alternativo vai para o espaço e lá teremos de andar à procura de Bombas ainda com combustível e passar horas para abastecer? Que tal abrir as bombas de abastecimento dos Quartéis à população Civil?